Espanha anuncia fim das libertações em Cuba após 115 serem soltos

Trinta e sete ex-presos cubanos chegaram a Madri acompanhados por seus parentes nesta sexta-feira

iG São Paulo |

AP
O ex-prisioneiro Orlando Fundora Alvarez (E) com a mulher, Yolanda, chegam a hostel em Madri, Espanha
O governo espanhol anunciou nesta sexta-feira a conclusão do processo de libertação de presos políticos em Cuba depois de 115 opositores do regime terem sido liberados. Destes, 103 viajaram à Espanha junto com 647 parentes. Dos 115 dissidentes que deixaram a prisão nos últimos nove meses, apenas 12, do chamado Grupo dos 75, continuam em Cuba por rejeitarem o exílio na Espanha.

Nesta sexta-feira, um grupo de 37 ex-presos cubanos acompanhados por suas famílias chegou a Madri a bordo de um avião fletado pelo governo espanhol, informou o ministério de Assuntos Exteriores espanhol.

Esse é o maior grupo de presos políticos que chega à Espanha desde o acordo concluído em julho passado entre o governo cubano e a Igreja católica, com mediação da Espanha, que permitiu libertar dezenas de prisioneiros.

Segundo um relatório anual sobre os direitos humanos divulgado por Washington nesta sexta-feira, os Estados Unidos reconhecem a libertação de presos políticos nos últimos meses em Cuba, mas afirmam que muitos outros opositores continuam atrás das grades e que Havana ainda persegue a dissidência.

Segundo o relatório, Havana libertou mais de 40 presos políticos nesse período, incluindo "notáveis ativistas de direitos humanos presos em 2003, mas Cuba continua abrigando dezenas de prisioneiros políticos". O informe menciona informações de grupos de direitos humanos que denunciam um "marcado aumento no uso das detenções curtas para desbaratar o trabalho da sociedade civil e para acossar ativistas".

*Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: cubadissidentesespanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG