Líderes se reuniram em Havana após encontro com o presidente de Cuba, Raúl Castro; presidenta brasileira viaja hoje para o Haiti

A presidente Dilma Rousseff participou de uma reunião na tarde de terça-feira com o líder da Revolução Cubana Fidel Castro, informou o site governista Cubadebate. "Dilma Rousseff e Fidel Castro se encontraram em Havana", escreveu por sua vez o blogueiro oficialista Yohandry, que está informado sobre o que ocorre na ilha e antecipa notícias do governo cubano.

Direitos humanos: Dilma diz que violações de direitos humanos ocorrem em todos os países

Presidenta Dilma Rousseff reúne-se com líder cubano, Raúl Castro (31/01)
Planalto
Presidenta Dilma Rousseff reúne-se com líder cubano, Raúl Castro (31/01)
Leia também: Dilma chega a Cuba em sua primeira visita de Estado ao país

O encontro, do qual Dilma teria participado com uma "comitiva reduzida", ocorreu depois de uma reunião com o presidente Raúl Castro , a quem seu irmão Fidel entregou o poder em 2006 por causa de problemas de saúde, e antes de visitar o porto de Mariel, 50 km a oeste de Havana, que está sendo modernizado com financiamento brasileiro . As obras de ampliação do porto, efetuadas pela Odebrecht com um orçamento de cerca de US$ 900 milhões, contam com US$ 640 milhões fornecidos pelo Brasil.

Nem as autoridades nem outros veículos cubanos confirmaram até agora o encontro, mas Dilma adiantou na terça-feira pela manhã que visitaria Fidel, de 85 anos. "Espero essa reunião com muito orgulho", disse Dilma aos jornalistas.

Durante sua visita a Havana, Dilma assinou com Raúl Castro 13 acordos bilaterais que incluem projetos de cooperação científica, técnica e tecnológica, em áreas como a indústria siderúrgico-mecânica e a geologia.

A visita de Dilma, com uma agenda de teor econômico e comercial, teve como pano de fundo a situação dos direitos humanos na ilha.

Em declarações em Havana, a presidenta recusou-se a fazer críticas a Cuba em relação aos direitos humanos, e disse que preferia abordar esse controverso tema a partir de uma " perspectiva multilateral ", incluindo o Brasil e sem esquecer os Estados Unidos e a base de Guantánamo .

A governante defendeu uma associação "estratégica e duradoura" com Cuba e se comprometeu com seu desenvolvimento econômico.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre Cuba

O último encontro de Fidel com um governante estrangeiro ocorreu em 11 de janeiro, quando recebeu o presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad . Fidel dedica seu tempo a cuidar da saúde, a escrever artigos de imprensa e cultivar moringa (uma árvore tropical).

Rumo ao Haiti

Dilma finalizou nesta quarta-feira sua primeira viagem oficial a Cuba e partiu rumo ao Haiti para se reunir com o governante do país, Michel Martelly. Dilma voou para Porto Príncipe do aeroporto de Havana após uma estada de menos de 48 horas em Cuba.

A imprensa estrangeira credenciada na ilha não teve acesso à despedida da governante, como era previsto inicialmente, depois que a cobertura do ato foi cancelada na terça-feira. Sua agenda no Haiti para as próximas horas prevê uma reunião com Martelly, assim como uma visita ao contingente militar brasileiro, que lidera a missão da ONU no país caribenho (Minustah).

*Com AFP e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.