Edberto Escobedo deixou a prisão em liberdade condicional, quando faltavam cinco anos para o cumprimento da sentença de 20 anos

O governo cubano libertou um opositor preso há 15 anos acusado de espionagem. Desta vez, no entanto, a libertação foi feita sem a interferência da Igreja Católica, mediadora entre o governo cubano e prisioneiros, informou a dissidência nesta quinta-feira.

Edberto Escobedo, 44 anos, deixou a prisão na quarta-feira em liberdade condicional, quando ainda faltavam cinco anos para o cumprimento da sentença de 20 anos, que recebeu em 1995 por acusações de "espionagem e propaganda inimiga".

Escobedo, incluído na lista de presos políticos da ilegal Comissão Cubana de Direitos Humanos (CCDHRN), foi detido após entrar em uma unidade da contrainteligencia militar para levar informações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.