Blogueira cubana Yoani Sánchez é libertada após 30 horas de detenção

Dissidente foi detida ao tentar acompanhar julgamento de acusado de matar Payá; ela disse que suas intenções eram 'jornalísticas'

iG São Paulo | - Atualizada às

AP
A blogueira cubana Yoani Sánchez, em foto de 2011

A blogueira cubana Yoani Sánchez e seu marido, Reinaldo Escobar, foram libertados na sexta-feira após 30 horas de detenção. O casal foi detido em Bayamo, leste do país, quando tentava acompanhar o julgamento do político espanhol Ángel Carromero , acusado de homicídio doloso no acidente que matou o opositor Oswaldo Payá .

Leia também:  Blogueira dissidente cubana Yoani Sánchez é detida

"Acabamos de ser libertados!! 30 horas de prisão e muitas anedotas para contar", escreveu ela em sua conta no Twitter. Yoani também agradeceu a "todos que levantaram sua voz e seus tweets para que conseguíssemos voltar para casa".

A blogueira afirmou que sua intenção ao acompanhar o julgamento era "jornalística" e quer queria fazer uma cobertura da audiência no Twitter. Durante o tempo que ficou detida, a blogueira disse ter se recusado a comer e beber.

Mais cedo, o site yohandry.com, de um blogueiro ligado ao regime cubano, noticiou que Yoani havia sido detida por "tentar uma provocação e show midiático que prejudicaria o bom desenvolvimento do julgamento".

García Ginarte, jornalista do canal de televisão de Bayamo, 750 km ao leste de Havana, afirmou no Twitter que "Yoani Sánchez viajou a Bayamo para um show provocativo e para prejudicar o julgamento de Carromero". Ele acrescentou que a bloqueira viajou na qualidade de "correspondente ilegal" do jornal espanhol El País.

Julgamento

O julgamento de Carromero, de 27 anos e dirigente de Novas Gerações do Partido Popular,  durou apenas um dia. Não foi divulgada uma data para o anúncio do veredicto. O Ministério Público do país pede uma pena mínima de sete anos - a corte cubana terá seis dias úteis, prorrogáveis, para definir a sentença.

Carromeno dirigia o veículo alugado que, em 22 de julho, bateu em uma árvore perto de Bayamo. No carro estavam Payá e o também opositor Harold Cepero (31 anos), ambos mortos no acidente, além do político sueco Jens Aron Modig, 27 anos, que retornou a seu país após a investigação policial.

As autoridades cubanas afirmam que o acidente foi provocado por excesso de velocidade em uma área da estrada que passava por reparos. Carromero pode ser condenado a até dez anos de prisão.

A morte de Payá, 60 anos, dirigente do opositor Movimento Cristão Libertação, vencedor do Prêmio Sakharov 2002 do Parlamento Europeu, teve grande repercussão internacional, incluindo uma mensagem de condolências do Papa Bento 16.

Com AFP

    Leia tudo sobre: cubayoani sánchezyoaniblogueirapayáángel carromeno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG