Cuba liberta Fariñas e outros dissidentes detidos no funeral de Oswaldo Payá

Opositor ficou detido por cerca de nove horas em Tarará, a leste da capital Havana; regime soltou a maior parte dos 50 dissidentes presos na terça-feira

iG São Paulo | - Atualizada às

A polícia cubana libertou o dissidente Guillermo Fariñas, Prêmio Sakharov 2010 do Parlamento Europeu, preso na terça-feira juntamente com dezenas de opositores em Havana durante o funeral de Oswaldo Payá . Além de Fariñas, a maior parte dos cerca de 50 dissidentes detidos no enterro de Payá foram soltos pelas autoridades cubanas.

Dissidente: Opositor Guillermo Fariñas é detido em funeral de Oswaldo Payá em Cuba

"Estive detido por nove horas na Escola de Policiais de Tarará (a leste de Havana) juntamente com cerca de 20 opositores. Depois me trouxeram de carro para cá", declarou Fariñas por telefone de sua casa em Santa Clara, 270 km a leste de Havana.

AFP
Funeral do ativista Oswaldo Payá foi realizado na terça-feira (24/7)

Fariñas, um psicólogo de 50 anos que fez várias greves de fome contra o regime, relatou que foi libertado "sem acusações", assim como o resto dos detidos que estiveram com ele no quartel de Tarará.

Fariñas explicou que, ao ser preso perto da igreja onde foi realizada a missa fúnebre de Payá, "recebeu um soco na bochecha esquerda" e foi "colocado de forma violenta" em um ônibus que o conduziu com outros detidos à Escola de policiais, onde foi interrogado.

"Eu perguntei (ao agente do interrogatório) que lei me impedia em Cuba de caminhar ao lado de um carro fúnebre, mas ele não soube me responder", afirmou.

Os dissidentes foram detidos por agentes à paisana a cerca de 100 metros da Igreja do Divino Salvador do Mundo, ao término da missa fúnebre, enquanto gritavam palavras de ordem contra o regime cubano, de aspectos comunistas.

Payá, católico de 60 anos e líder do Movimento Cristão Libertação, morreu em um acidente  no domingo quando viajava com outras três pessoas e o carro em que estava se chocou contra uma árvore perto de Bayamo, 744 km a sudeste de Havana, segundo o relatório oficial.

Dois filhos do opositor afirmaram, por sua vez, que o carro no qual seu pai viajava foi atingido em várias ocasiões por outro veículo até ocorrer o acidente, que também matou o dissidente cubano Harold Cepero Escalante, enquanto um espanhol e um sueco, ambos ativistas políticos, ficaram feridos.

Entrevista ao iG: 'Não nos interessa a sucessão da tirania', diz opositor Oswaldo Payá

O ativista espanhol que viajava no carro com Payá Angel Carromero também foi preso por oficiais cubanos. Carromero foi detido após sair do hospital, informou nesta terça-feira uma fonte da embaixada da Espanha. Carromero, 27 anos, é dirigente do braço juvenil do governista Partido Popular espanhol (PP, direita) e dirigia o carro alugado que bateu em uma árvore em uma estrada próxima a Bayamo, no acidente que matou Payá e Escalante.

*Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: cubafariñaspayádissidenteopositorilharaúl castrofidel castro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG