Sobrinho de Arruda também é preso em Brasília

Secretário particular do governador, Rodrigo Diniz Arantes se apresentou na Superintendência da PF, onde ficará detido

Priscilla Borges, iG Brasília |

Rodrigo Diniz Arantes, sobrinho e secretário particular do governador José Roberto Arruda (sem partido), se apresentou na noite desta quinta-feira na Superintendência da Polícia Federal de Brasília, onde ficará detido preventivamente.

Apontado como um dos articuladores da suposta tentativa de suborno de uma importante testemunha do chamado "Mensalão do DEM", Arantes havia pedido afastamento da função no governo no início da semana.

O sobrinho do governador é uma das seis pessoas que tiveram a prisão decretada na tarde de quinta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), entre eles o governador.

Além de Arruda e Arantes, tiveram também a prisão decretada pelo STJ o ex-deputado Geraldo Naves, o ex-secretário de Comunicação do Governo do Distrito Federal, Wellington Morais, e o diretor de Operações das Centrais Elétricas de Brasília, Haroldo Brasil de Carvalho.

Eles têm 24 horas para se apresentar ou serão considerados foragidos.

Arantes é suspeito de ter procurado Antônio Bento da Silva, conselheiro do Metrô do DF desde o início do governo Arruda, para propor ao jornalista Edmilson Édson dos Santos, o Sombra, para que lançasse dúvidas sobre os vídeos que mostram a distribuição de propina a integrantes do governo e deputados da base aliada.

Preso em flagrante na ultima ao entregar R$ 200 mil ao jornalista, Bento afirmou ter sido procurado 20 dias antes por Rodrigo Arantes para que convencesse Sombra a colaborar com o governador.

Na época em que anunciou seu desligamento do governo, o sobrinho de Arruda negou as acusações e classificou o episódio como uma farsa.

"Meu nome foi citado indevida e maldosamente pelo senhor Antônio Bento da Silva numa história fantasiosa e absurda, construída como parte da farsa arquitetada contra o governador José Roberto Arruda", disse em nota publicada na época.

Apreensões

Além das prisões, a Polícia Federal cumpriu nesta quinta-feira três mandados de busca e apreensão ao longo do dia. Os alvos foram o centro administrativo do governo, em Tabatinga, a residência oficial do governo e a casa do governador no bairro Park Way. A PF não informou o que foi apreendido durante a ação.

Com informações da Agência Estado

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG