PT quer apurar suposto caixa 2 de governador interino do Distrito Federal

O ex-presidente do diretório local do PT, Chico Vigilante, anunciou nesta terça-feira que pedirá ao Ministério Público Eleitoral que investigue suposta prática de caixa 2 na campanha eleitoral que elegeu o deputado distrital Wilson Lima (PR), atual governador interino do Distrito Federal.

Agência Estado |

De acordo com denúncia publicada na edição de hoje do jornal Folha de S. Paulo, Wilson Lima usou recursos próprios, da ordem de R$ 195 mil, para fazer sua campanha em 2006.

O valor é 55% maior do que o salário anual de deputado distrital. Mas segundo a lei eleitoral, não é crime um candidato doar para a própria campanha valores maiores que seus rendimentos.

Para justificar o dinheiro usado na campanha, Lima disse ao jornal que vendeu alguns veículos, dentre eles um micro-ônibus, que, segundo um deputado, foi repassado a Edilair da Silva Sena, diretora de Recursos Humanos da Câmara. No entanto, Edilair, ainda de acordo coma denúncia do jornal, negou ter comprado o micro-ônibus.

O veículo está registrado em nome de uma empresária que nega conhecer o deputado. A assessoria de imprensa do governador afirma que há não irregularidades nas contas de campanha de Lima, "tanto é que as contas foram aprovadas sem ressalvas".

Chico Vigilante afirmou que Edilair é funcionária comissionada da Câmara, indicada por Wilson Lima. "Ela é funcionaria da confiança dele e pelo que está na reportagem, ele deve ter usado ela como laranja", disse. Se o Ministério Público Eleitoral acatar a representação de Chico Vigilante, deve ser aberta uma investigação e Wilson Lima pode chegar a ser alvo de denúncia ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF.

Leia mais sobre Escândalo no DF

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG