PF apreende documentos e computadores na sede do governo do DF

Ação começou às 7h; polícia cumpriu 21 mandados de busca e apreensão relacionados ao inquérito da Operação Caixa de Pandora

Rodrigo Haidar, iG Brasília |

Em ação que começou às 7h deste sábado de carnaval, a Polícia Federal cumpriu 21 mandados de busca e apreensão relacionados ao inquérito da Operação Caixa de Pandora, que investiga esquema de corrupção envolvendo o governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), seu vice e atual governador, Paulo Octávio (DEM), além de deputados distritais e empresários.

Foram cumpridos quatro mandados no Palácio do Buritinga, sede administrativa do governo do DF, que fica na cidade satélite de Taguatinga, a 20 quilômetros de Brasília. O Palácio do Buriti, sede oficial do governo, também foi alvo de outros quatro mandados.

Houve ainda busca em um posto do "Na Hora", central de atendimento ao cidadão que reúne representação de serviços públicos essenciais como emissão de passaportes e carteira de habilitação.

Os outros 12 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em residências de auxiliares, ex-secretários do governo e outros investigados. A PF não confirmou nomes, mas um dos alvos foi a casa de Marcelo Toledo, policial civil aposentado apontado como um dos fiéis operadores do governador Arruda. O advogado de Toledo, Raul Livino, confirmou ao iG que a polícia fez buscas na casa de seu cliente, "mas não encontrou nada". Livino passa o carnaval na Praia do Forte, em Salvador.

De acordo com a PF, na ação foram apreendidos CDs, computadores e diversos documentos. Em uma das residências foram apreendidos US$ 2,6 mil e R$ 1 mil em dinheiro. A maior parte do material será encaminhada para O Instituto Nacional de Criminalística, para perícia. Mais cedo, circulou a informação de que havia mandados cumpridos fora do DF. A Polícia corrigiu a informação. A ação se limitou ao Distrito Federal.

Governador segue preso

Na tarde de sexta-feira, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu manter preso o governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido). A defesa de Arruda havia entrado com pedido de habeas-corpus no STF na noite de quinta-feira, depois de o Superior Tribunal de Justiça (STJ), por 12 votos a dois, mandar prender o governador e tê-lo afastado do cargo.

Com a decisão do STF, o governador deve passar o carnaval preso . Isso porque sua defesa já avisou que esperará o julgamento do mérito do caso, quando os outros 10 ministros do STF decidirão se mantêm ou derrubam a decisão de Marco Aurélio Mello.

    Leia tudo sobre: arrudaescândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG