PF apreende documentos e complica situação de Arruda

Documentos apreendidos pela Polícia Federal (PF) na Operação Caixa de Pandora, divulgados pela edição desta semana da revista Época, complicam a já conturbada situação do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), investigado por supostamente ter montado um esquema de corrupção no governo.

Agência Estado |


Entre os papéis, estão uma agenda apreendida na casa de Fábio Simão, chefe de gabinete de Arruda, presidente da Federação Brasiliense de Futebol e, até descoberto o escândalo, coordenador dos preparativos na cidade para a Copa do Mundo de 2014. Dentre as anotações, uma refere-se diretamente ao governo e data de 22 de janeiro de 2007: "R$ 17.700 Arruda".

Em outro documento, apreendido na residência oficial do governo em Águas Claras, guardado num envelope que seria destinado a Fábio Simão, com data de 23 de novembro de 2009, anotações que tratariam de partilha de recursos: "1 - chefão 400, 2 - Dep Charles 100, 3 - Pesque Pague 800 e 4 - Brazlândia 1500".

De acordo com a reportagem, na casa e no gabinete de outro auxiliar de Arruda, Domingos Lamoglia, conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal, afastado depois de revelado o escândalo, a PF apreendeu um livro-caixa, agendas e papéis com nomes e iniciais de políticos sempre com números anotados ao lado, que seriam valores da suposta propina.

Os pagamentos foram separados em dois grupos: "Pessoais" e "Política". Na coluna "Pessoais" está, por exemplo, a anotação "Severo = 450". Seria uma referência a Severo de Araújo Dias, dono do haras Sparta. A PF investiga se o real proprietário desse haras é José Roberto Arruda.

Em depoimento à subprocuradora-geral da República Raquel Dodge, Durval Barbosa, ex-secretário do governo e pivô do escândalo, afirmou que o haras foi comprado pelo governador para presentear a mulher, Flávia Arruda.

Os papeis em posse da PF indicam ainda, conforme a reportagem, a existência de dossiês feitos pelos secretários de Arruda para serem usados em eventuais disputas internas no governo do DF. Os relatórios descreveriam casos de corrupção em várias secretarias e estatais. Em um deles, apreendido na casa de Lamoglia, há a informação de que a Polícia Civil fazia grampos para monitorar simpatizantes do ex-governador Joaquim Roriz com cargos na administração Arruda.

O autor do dossiê apócrifo recomenda, no documento, cuidado às autoridades, pois Arruda e o vice-governador, Paulo Octávio (DEM), teriam sido flagrados nesses grampos em conversas sobre a concessão de lotes a empresas.

Leia mais sobre Escândalo no DF

    Leia tudo sobre: josé roberto arruda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG