Paulo Octávio é contrário à intervenção

Governador em exercício do DF afirma que não existem provas contundentes que justifiquem a intervenção

Fred Raposo, iG Brasília |

O governador em exercício do Distrito Federal, Paulo Octávio (DEM), rejeita a intervenção do governo federal. Sua assessoria de imprensa afirmou ao iG que não existem provas contundentes contra Paulo Octávio que justifiquem a intervenção.

Por telefone, a assessoria disse, no entanto, que, como a licença de Arruda "não tem prazo", o governador em exercício "não quer atropelar o processo", uma vez que Arruda entrou com habeas corpus no STF e acredita que será solto ainda hoje.



Mas a assessoria ressaltou que Paulo Octávio está "tranquilo" e que a tendência é que "assuma normalmente" a governadoria. O governador em exercício só se pronunciará quando a situação estiver "mais estável".

A assessoria afirmou ainda que o governador em exercício está "preocupado com a governabilidade" e que a agenda do GDF para este ano está mantida. Isto inclui, informou a assessoria, a continuidade de cerca de 2 mil obras, além da festa de aniversário da cidade e do Carnaval 2010.

O Palácio do Planalto, por meio de sua assessoria de imprensa, disse que não comentará a intervenção pedida pelo procurador-geral até que o STF decida sobre o assunto. Mas o iG apurou que esta decisão já estava sendo discutida pelos auxiliares do presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde que começaram as denúncias contra o governador licenciado José Roberto Arruda.

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG