deixou o cargo, nesta terça-feira, porque, sem apoio político, faria um governo fraco. Não é possível governar sem apoio político e sangrando em praça pública, afirmou ele, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo." / governo fraco - Escândalo no DF - iG" / deixou o cargo, nesta terça-feira, porque, sem apoio político, faria um governo fraco. Não é possível governar sem apoio político e sangrando em praça pública, afirmou ele, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo." /

Paulo Octávio diz que sem apoio, faria governo fraco

Paulo Octávio (DEM) admite que pode ter batido um recorde político ao assinar duas cartas de renúncia em um só dia, mas não descarta voltar à disputa do governo do Distrito Federal. Ele disse que http://ultimosegundo.ig.com.br/escandalodf/2010/02/23/paulo+octavio+renuncia+ao+cargo+de+vice+governador+do+distrito+federal+9406573.htmldeixou o cargo, nesta terça-feira, porque, sem apoio político, faria um governo fraco. Não é possível governar sem apoio político e sangrando em praça pública, afirmou ele, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

iG São Paulo com Agência Estado |

Agência Brasil
asd
Lorenzoni e Maia apresentam a renúncia

O empresário, que assumiu o governo depois da prisão do governador eleito, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), no último dia 11, avalia que a intervenção federal no DF está descartada. Paulo Octávio também foi atingido pelas denúncias da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal (PF), que investiga um suposto esquema de desvio de dinheiro e pagamento de propina.

Na entrevista, Paulo Octávio afirmou que não encontrou "condições mínimas de governabilidade". No entanto, ele elogiou a gestão no DF e disse que as imagens de secretários e políticos embolsando pacotes de dinheiro "é uma questão eleitoral". "Ainda acho que o tempo mostrará que estávamos fazendo o melhor governo de Brasília."

Perguntado se ele pretende deixar a política, como já havia anteriormente mencionado, Paulo Octávio afirmou que tem planos de voltar a pleitear o governo do Distrito Federal. "Já recebi três convites de filiação a partidos novos. Tenho uns quatro anos para pensar no futuro." As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Wilson Lima

Amigo de José Roberto Arruda, o deputado distrital Wilson Lima, eleito pelo PR, usou do bom trânsito entre os colegas para ser içado, no início do mês, a presidente da Câmara Legislativa. Foi nomeado após a saída de Leonardo Prudente, flagrado guardando dinheiro na meia, com votos de 17 dos 24 parlamentares. Desses 17, oito são investigados pela Operação Caixa de Pandora. Prudente e Eurides Brito, também flagrado recebendo dinheiro , estudam reunciar aos mandatos até quarta-feira.

Com a falta de credibilidade da Câmara Legislativa, os deputados estudam fazer uma emenda na Lei Orgânica do DF nos próximos 15 dias para abrir a possibilidade de uma eleição indireta no próximo mês.

Considerado afável e simpático pelos colegas, Wilson Lima recebeu dos colegas o apelido de deputado ursinho. "O Wilson Lima é muito amável no trato pessoal, sim, mas essa amabilidade não se sobrepõe aos mandos do governador", pondera a deputada Érika Kokay (PT).

Leia também:

Saiba mais sobre escândalo no DF

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG