Novo governador do DF diz que corrupção é o maior inimigo

Rosso chamou de "crise devastadora" a situação no DF e afirmou que pretende "repor a cidade nos trilhos"

Reuters |

O novo governador do Distrito Federal, Rogério Rosso, eleito por voto indireto pela Câmara Legislativa no último sábado, tomou posse nesta segunda-feira. Filiado ao PMDB, Rosso assumiu o posto de governador com a promessa de resgatar a moralidade e o cuidado com o bem público.

Responsável por conduzir o governo até 31 de dezembro, Rosso se comprometeu a dar maior transparência às contas do governo, fazer auditorias e balanços quinzenais dos trabalhos.

"Nosso inimigo maior é a corrupção", disse, na esteira dos escândalos envolvendo o Executivo e o Legislativo locais nos últimos cinco meses.

O novo governador chamou de "crise devastadora" a situação no DF e afirmou que pretende "repor a cidade nos trilhos".

A crise teve início em novembro do ano passado, quando veio à tona uma operação da Polícia Federal que investiga esquema de propinas no governo.

Há suspeita de participação direta do então governador, José Roberto Arruda (sem partido), que deixou o DEM e foi cassado pela Justiça eleitoral. Acusado de tentar subornar uma testemunha do caso, Arruda ficou preso dois meses na PF, solto na segunda-feira da semana passada.



Rosso é o quarto que assume o governo do DF desde o início do escândalo, também conhecido como "mensalão do DEM".

O novo governador era presidente da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) na gestão de Arruda. Também trabalhou para o governo de Joaquim Roriz (PSC), como secretário de Desenvolvimento Econômico.

O presidente interino da Câmara Legislativa, Cabo Patrício (PT), empossou Rosso e devolveu a presidência da Casa a Wilson Lima (PR), que assumiu o posto de governador. Para Patrício, a eleição do novo governador "afasta o fantasma da intervenção".

O processo de intervenção federal, pedido pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e ainda não há previsão de julgamento.

Em outubro, haverá eleições gerais no país, incluindo o DF.

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG