Marco Aurélio descarta acordo em troca de renúncia de Arruda

BRASÍLIA - A defesa do governador licenciado José Roberto Arruda (sem partido) protocolou hoje no Supremo Tribunal Federal (STF) um documento em que há o compromisso do cliente em permanecer afastado do executivo até o término das investigações. Com isso, os advogados acreditam que crescem as chances de Arruda conseguir o habeas corpus no julgamento desta quinta-feira.

Valor Online |

Entretanto, o relator do pedido no Supremo, o ministro Marco Aurélio Mello, criticou hoje qualquer negociação que envolva a renúncia de Arruda em troca do relaxamento de sua prisão.

Segundo ele, caberá ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidir se revoga a prisão em eventual compromisso de manter-se afastado do governo do DF. Para Marco Aurélio, não há negociação.

"A questão da volta ou da ausência do retorno à cadeira do governo se resolve no campo político. Não há negociação. O STJ deverá decidir se, com a liberdade dele, terá ou não prejuízo às instruções criminais", disse.

O governador está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, desde 11 de fevereiro por determinação do STJ.

Arruda é acusado de tentar subornar uma testemunha do esquema de corrupção que atinge seu governo, empresários e deputados distritais. O Supremo vai decidir se a decisão do STJ deve ser revogada. Em caráter provisório, Marco Aurélio Mello negou o pedido feito pelos advogados de Arruda.

Ele ainda negou o pedido de habeas corpus em favor do ex-secretário de Comunicação do governo do Distrito Federal (GDF), Welington Moraes, também preso por envolvimento na tentativa de suborno.

(Agência Brasil)

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG