Leonardo Prudente renuncia à presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal

O deputado Leonardo Prudente (sem partido) renunciou nesta segunda-feira à presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Prudente, que popularmente ficou conhecido como o deputado da meia, enviou carta à Mesa Diretora da Casa comunicando sua renúncia.

iG São Paulo |

AE
Prudente foi flagrado colocando dinheiro na meia

Prudente foi flagrado colocando dinheiro na meia

O documento foi recebido pelo corregedor deputado Raimundo Ribeiro (PSDB) na manhã desta segunda-feira, mas está datado do dia 21 de janeiro, última quinta-feira.

Leonardo Prudente foi flagrado em vídeo da Operação Caixa de Pandora guardando nos bolsos e nas meias maços de dinheiro. Ele é um dos investigados por suspeita de participação no esquema que arrecadava dinheiro entre empresas contratadas pelo governo e supostamente distribuía o dinheiro a deputados distritais, secretários do governo, ao próprio governador e ao vice, Paulo Octávio (DEM). O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, é apontado pela Polícia Federal como o chefe do esquema.

Em dezembro do ano passado, pressionado pelo DEM, Prudente pediu o afastamento da legenda e do cargo de presidente da Câmara, por um prazo de 60 dias. Mas em menos de um mês ele voltou à presidência, sem comunicar à Mesa Diretora. A oposição acusava o deputado de manobrar a favor do governador Arruda, ao voltar para o cargo a fim de dar outros rumos às investigações.

Segundo Ribeiro, pelo regimento interno, a renúncia não retira do cargo de vice presidente o deputado Cabo Patrício (PT), que comanda a Casa desde o afastamento de Prudente, determinado pela Justiça.

Eleições

A Câmara Legislativa tem agora sete dias para eleger o novo presidente. O assunto deverá ser discutido a partir da tarde desta segunda-feira, no início dos trabalhos do plenário, que foi convocado para se reunir pelo presidente em exercício, Cabo Patrício.

Ribeiro afirmou que o esclarecimento feito na sexta-feira pelo juiz da 7ª Vara da Fazenda Pública de que a CPI da Codeplan não ficou extinta, com o afastamento das investigações de oito deputados citados na Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, deverá ser acatado pelo presidente da comissão, Alírio Neto (PPS). Ele havia declarado que ela estaria extinta, com a decisão do juiz.

(*com informações da Agência Brasil)

Leia mais sobre:  Escândalo do DF

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG