Jaqueline Roriz desiste de recurso e cassação vai para o plenário

Decisão ocorre após presidente da Câmara avisar que só se posicionaria em agosto sobre indicação de relator

iG São Paulo |

AE
Jaqueline Roriz encaminhou carta a Marco Maia para pedir a retirada do recurso
A deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) desistiu do recurso que havia apresentado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) contra o pedido de cassação aprovado pelo Conselho de Ética da Câmara no começo de junho.

Com isso, processo que definirá o destino da deputada  - flagrada em vídeo recebendo dinheiro de Durval Barbosa - segue para votação no plenário da Casa. Barbosa é delator do esquema que ficou conhecido como o mensalão do DEM, revelado pelo iG , em 2009 .

Após protocolar o pedido de desistência do recurso na CCJ, Jaqueline Roriz enviou uma carta ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), em que afirma ter interesse na “celeridade no andamento do processo”. A deputada alegou que, com a desistência, busca evitar "novos e inevitáveis constrangimentos".

Na carta, Jaqueline também afirmou que sua defesa diante do pedido de cassação sempre se baseou na alegação de que as as denúncias que pesam contra ela se referem a fatos anteriores ao início do mandato na Câmara.

"Respaldado na Constituição brasileira, o deputado federal Vilson Covatti reafirma a nossa principal tese de defesa – a de que não posso ser julgada nesta Casa por quebra de 'decoro parlamentar' quando o episódio objeto da denúncia ocorreu antes de assumir o mandato. Sinto-me confortável com esse entendimento", diz a nota.

A decisão de Jaqueline de retirar o recurso ocorreu no mesmo dia em que o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), avisou que só iria se posicionar após o recesso parlamentar sobre questionamentos relacionados à escolha do relator do caso. A relatoria do recurso apresentado por Jaqueline havia sido designada ao deputado Vilson Covatti (PP-RS), que se posicionou a favor da absolvição na votação do Conselho de Ética que decidiu pela cassação .

A indicação do foi contestada pelo PSOL, em questionamento apresentado pelo líder do partido na Casa, Chico Alencar (RJ). Covatti apresentou ontem parecer favorável ao recurso da defesa de Jaqueline. Na ocasião, ele também argumentou que a deputada não poderia ser processada pela Câmara porque era deputada distrital quando ocorreram os fatos que motivaram o pedido de cassação.

*Com informações da Agência Câmara

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG