Advogados aconselham Paulo Octávio a não sair do DEM

Os advogados do governador em exercício do Distrito Federal, Paulo Octávio, o aconselharam a não pedir desfiliação do DEM, e sim esperar a reunião da Executiva Nacional da legenda, marcada para esta quarta-feira, quando será votado se ele deve ou não ser expulso do partido.

Agência Estado |

O senador Demóstenes Torres (GO) e o deputado Ronaldo Caiado (GO) lideram o grupo dos que defendem a expulsão sumária de Paulo Octávio - posição que vem crescendo dentro da legenda desde que ele decidiu ficar à frente do governo do Distrito Federal, contrariando orientação do partido para que renunciasse.

Até antes do anúncio de Paulo Octávio de que não renunciaria ao cargo, o entendimento dentro do DEM era de que ele poderia responder a um processo disciplinar que poderia culminar na sua expulsão da legenda. Mas, até lá, haveria um longo trâmite com chances ainda de ele ser poupado pelos colegas. Ao ficar no cargo, porém, Paulo Octávio "assinou sua ficha de desfiliação", nas palavras do deputado Paulo Bornhausen (SC). Isso porque a opção que o partido colocou para Paulo Octávio foi: ou ficava no governo do Distrito Federal e saia do partido, ou ficava no partido e saía do governo. Ao desistir da renúncia, sua escolha ficou clara.

"Ele está falhando em tudo. Falou que iria renunciar, e não renunciou. Falou que pediria desfiliação e não vai pedir. Na quarta-feira, o partido expulsará Paulo Octávio. Ninguém mais consegue desvencilhar o vice-governador do governador", resume o líder do DEM no Senado, senador José Agripino Maia (RN), se referindo a Paulo Octávio e José Roberto Arruda, ambos envolvidos no esquema de corrupção no governo local, conhecido como "Mensalão do DEM".

Preso na Polícia Federal por obstruir a Justiça, José Roberto Arruda pediu desfiliação do DEM em dezembro do ano passado após o partido ter anunciado que sua expulsão era inevitável. Agripino explicou que a expulsão de Paulo Octávio dos quadros do DEM deve ser sumária. O prazo de defesa seria dado ao governador em exercício do Distrito Federal com ele já fora da legenda. Se ganhar na Justiça, pode voltar ao partido.

Um pessoa ligada a Paulo Octávio afirma que os advogados entendem que, ao deixar que o partido o expulse, fica aberta a possibilidade de recorrer da decisão à Justiça. Se pedir desfiliação, a situação fica irreversível. Sem partido, não pode concorrer nas próximas eleições. Além disso, a defesa acredita que Octávio pode ganhar uma sobrevida na legenda ao longo da semana, caso a cúpula do DEM deixe um pouco a crise política de Brasília de lado para cuidar do caso do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), que teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral por recebimento de doação de campanha suposta ilegal.

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG