Adiada pela 4ª vez eleição do presidente da CPI no Distrito Federal

Pela quarta vez consecutiva foi adiada a eleição do novo presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Corrupção da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Formada por cinco membros, a comissão está desfalcada, com apenas três deputados.

Agência Estado |

O vice-presidente da CPI, Batista das Cooperativas (PRP), informou que até o final do dia o ex-secretário de Habitação Paulo Roriz voltará ao cargo de deputado e será indicado para ocupar uma das vagas. O quinto membro, segundo Batista, será indicado pelo presidente da Câmara Legislativa, Wilson Lima (PR).

Há três semanas a CPI da Corrupção está parada. Cada vez que Batista marca uma nova reunião para tentar dar continuidade aos trabalhos, um novo fato embaralha o processo. O novo imbróglio foi desencadeado pelo afastamento de Geraldo Naves (DEM) do cargo de deputado distrital.

Ele disse ter entregado um bilhete do governador José Roberto Arruda (sem partido) ao jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Edson Sombra. O jornalista contou à PF que o bilhete seria uma prova de que Arruda estaria envolvido em tentativa de suborno. Na quinta-feira, a PF prendeu em flagrante o conselheiro do Metrô de Brasília, Antonio Bento da Silva, quando ele entregava R$ 200 mil a Sombra.

A situação de Naves ficou ainda mais desconfortável na Câmara após os advogados de Arruda terem afirmado que o deputado teria pego o papel da mesa do governador sem autorização. Mas Naves contou ter recebido o bilhete de Arruda. "A verdade é que eu peguei da mão do governador", disse ele, em entrevista à TV Globo.

Antes do incidente, Geraldo Naves era o principal aliado de Arruda na Câmara. Era líder do governo, presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) - responsável pela análise dos três pedidos de impeachment do governador - e membro da CPI da Corrupção, cotado para assumir a presidência do colegiado.

Novos membros

Com a saída de Naves, o suplente Raad Massouh (DEM) assumiu nesta segunda-feira a vaga de deputado pelo DEM. Hoje, porém, já deve deixar o cargo, pois o ex-secretário de Habitação Paulo Roriz pediu exoneração da pasta de governo para assumir a vaga da qual é titular. Massouh não é da confiança do governador. Paulo Roriz, sim.

A outra vaga em aberto da CPI da Corrupção é de direito do PMDB. Ocorre que o partido possui apenas três deputados - os três envolvidos no "Mensalão do DEM". Os parlamentares Bispo Renato (PR) e Cristiano Araujo (PTB) foram sondados, mas não aceitaram a indicação. Agora, caberá ao presidente da Casa, Wilson Lima (PR), indicar alguém.

O deputado José Antonio Reguffe (PDT) poderá ser o escolhido. Como é o único parlamentar do PDT, ele não havia sido indicado para compor nenhuma das comissões que investigam o escândalo local. Se confirmada sua participação, a oposição terá duas das cinco vagas da CPI. Hoje, apenas Paulo Tadeu (PT) faz o papel de oposição no colegiado.

Leia mais sobre: escândalo no DF

    Leia tudo sobre: escândalo no df

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG