Equipe de transição em GO não prioriza diálogo com Dilma

Apesar de não escalar interlocutor para contato com presidenta, Marconi espera melhor relacionamento do que com Lula

Rodrigo Viana, iG Goiânia |

Se depender da equipe de transição formada pelo governador eleito Marconi Perillo (PSDB), o diálogo de Goiás com o governo federal só acontecerá depois de 1o. de janeiro.

Segundo membros da equipe, a interlocução com o futuro governo Dilma não foi tratada e ninguém está escalado para cuidar disso.

Após as eleições, o governador eleito Marconi Perillo afirmou que espera uma relação mais respeitosa com a presidenta que teve com Lula.

Apesar de afirmar querer construir diálogo, o tucano ainda não falou com a petista.

Além de recursos para programas, o governo de Goiás também precisará contar com a presidenta para resolver problemas de obras paralisadas pelo TCU. Entre elas estão a Ferrovia Norte-Sul, o aeroporto de Goiânia e diversas rodovias federais.

Segundo os membros da equipe, a prioridade agora é costurar uma transição pacífica com o governo Alcides Rodrigues, o que será discutido em reunião amanhã às 8h30.

A relação entre Marconi e Alcides voltou a estremecer depois que o tucano afirmou que queria que a cerimônia de transferência se desse no Centro Cultural Oscar Niemeyer.

Marconi acusou Alcides de não concluir as obras que deixou, segundo ele, 98% completas.

Além de não ensaiar diálogo com Dilma, a interlocução com o governador eleito do DF, Agnelo Queiroz (PT) também não está sendo tratada.

As cidades goianas do Entorno de Brasília dependem da parceria que une recursos das duas unidades da federação.

    Leia tudo sobre: Política GOPolítica DilmaMarconi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG