Empréstimo à Celg encontra resistência na Assembléia Legislativa de GO

Parlamentares tucanos e peemedebistas questionam se a medida não aumentará o endividamento do Estado

Marcello Sigwalt - iG Brasília |

O empréstimo de R$ 3,728 bilhões para o saneamento financeiro da Celg (Companhia Energética de Goiás) corre risco de não sair do papel.

A operação encontra resistência por parte das bancadas do PSDB e PMDB, comandadas pelos candidatos ao governo, Marconi Perillo e Iris Rezende, respectivamente.

O argumento formal de tucanos e peemedebistas é que o empréstimo poderia elevar o endividamento do Estado. Nesse caso, seria necessária a aprovação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Mas a motivação pode ser política, pois a medida beneficiaria indiretamente o candidato do governador Alcides Rodrigues, Vanderlan Cardoso (PR).

Vanderlan está em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto para governador, atrás de Marconi, que lidera, e de Iris, segundo colocado.

A estratégia da oposição é de discutir o assunto somente no novo governo, de modo a evitar que a conta seja paga pelo sucessor de Alcides.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG