Tributo a Ted Kennedy é momento mais emotivo do 1º dia da Convenção Democrata

DENVER - Um eloqüente apelo para apoiar Barack Obama como candidato presidencial democrata deu o toque final ao tributo rendido ao senador Ted Kennedy, doente de câncer cerebral, no momento mais emotivo do primeiro dia da Convenção Nacional Democrata.

EFE |

Um mar de cartazes azuis, a cor símbolo dos democratas, com o sobrenome do veterano legislador recebeu esta noite o chamado "leão do Senado", quando acompanhado de sua esposa, Vicky, compareceu ao palco da convenção, fato que todos duvidavam até a hora em que aconteceu, tendo em vista seu delicado estado de saúde.

As notícias iniciais tinham descartado que Kennedy fosse falar, mas o senador, amparado pelos aplausos de mais de um minuto pelos mais de 4.000 delegados presentes, assegurou: "Nada vai me manter afastado deste encontro esta noite".

Com voz firme e bom aspecto, apesar de os médicos considerarem sua doença incurável, Kennedy afirmou: "Vim me unir a vocês para mudar os Estados Unidos, recuperar seu futuro, nos elevar rumo a nossos melhores ideais e escolher Barack Obama como presidente".

"Com Barack Obama o mundo começa de novo, a esperança volta a surgir e o sonho continua vivo", acrescentou em discurso de seis minutos, que os delegados acompanharam em muitos casos com lágrimas nos olhos.

Este foi o caso de Maria Shriver, sua sobrinha e mulher do governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, a quem as câmaras enfocaram enquanto secava os olhos.

A homenagem ao senador, um dos pontos altos da sessão principal da convenção, foi liderada por sua sobrinha e filha do ex-presidente John F. Kennedy, Caroline Kennedy.

"Tio Teddy fez a vida melhor para todos aqui e no mundo todo", afirmou Caroline, apontando entre suas conquistas a aprovação de medidas para melhorar o salário mínimo, o acesso à universidade para os desfavorecidos e o fim do regime de "apartheid" na África do Sul.

Caroline Kennedy rendeu também homenagem ao candidato democrata.

"Até agora não havia ninguém que me inspirasse do modo como as pessoas me dizem que meu pai as inspirou, mas agora sim tenho alguém, Barack Obama", disse.

Caroline e Ted Kennedy declararam seu apoio a Obama em fevereiro, imediatamente antes da chamada "superterça" de primárias eleitorais, e seu respaldo é considerado um dos fatores que contribuíram para a vitória do senador por Illinois frente a sua então rival, a senadora Hillary Clinton.

Kennedy voou para Denver na noite de domingo e sua primeira parada foi no hospital, onde os médicos o submeteram a uma meticulosa revisão de saúde.

Os especialistas tinham se mostrado preocupados com as conseqüências da viagem para sua saúde, especialmente sua exposição às massas e possíveis micróbios, algo perigoso porque seu sistema imunológico está debilitado por causa dos tratamentos de quimio e radioterapia.

Kennedy recebeu o diagnóstico de câncer cerebral após sofrer convulsões em sua casa de Hyannis Port, em Massachussets, e foi operado do tumor em junho.

Desde então permaneceu em seu domicílio, exceto em uma ocasião em julho, quando voou para Washington para votar a favor de uma lei sanitária que ele tinha apoiado e que estava parada no Senado.

"Prometo-lhes que estarei aí em janeiro próximo, no plenário do Senado dos Estados Unidos", assegurou hoje aos delegados democratas, que receberam suas palavras com uma forte ovação.

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG