Tietagem e tranqüilidade marcam eleições em reduto de McCain

Fernando Mexía. Phoenix (EUA), 4 nov (EFE).- A jornada eleitoral no Arizona transcorreu normalmente, e, salvo algumas filas formadas pelos mais madrugadores, a votação fluiu bem, até mesmo para John McCain, que depositou sua cédula em meio a aplausos de seus eleitores.

EFE |

O candidato republicano à Casa Branca foi votar pela manhã em seu colégio eleitoral, na igreja metodista de Albright, em um bairro do centro de Phoenix. Lá, o adversário do democrata Barack Obama foi recebido por um pequeno grupo de seguidores, que tiveram a oportunidade de saudar o senador pelo Arizona.

McCain quebrou o protocolo e autografou um cartaz com o qual um de seus eleitores lhe deu boas-vindas.

"Foi maravilhoso estar aqui no dia das eleições. Não esperava conseguir autógrafo dele. Só queria dar-lhe a mão, mas ele veio em minha direção, pegou o marca-texto e escreveu seu nome", contou à Agência Efe Charles Keller.

No pedaço de papelão autografado, lia-se "Teddy Roosevelt estaria orgulhoso. Obrigado, senador e senhora McCain", mensagem que chamou a atenção do republicano.

"Roosevelt é um herói para ele", explicou Keller, que não escondia sua satisfação por ter passados alguns instantes ao lado de seu candidato.

"Se McCain ganhar, terei que enviar o autógrafo à Smithsonian Institution - instituto de referência nos EUA -, porque é a assinatura do próximo presidente", acrescentou.

Outro eleitor do senador pelo Arizona, Mark Lazara, foi ao encontro de McCain com uma camisa com a bandeira americana e um cartaz que criticava o candidato democrata.

"No experience. NObama" ("Sem experiência. Não a Obama", em tradução livre), dizia a cartolina de Lazara.

"Alguns democratas viraram socialistas, mas os EUA estão baseados na liberdade individual e no capitalismo. Não tenho dúvidas de que McCain vencerá. Tudo o que Obama disse é mentira", afirmou o eleitor.

Fora essas demonstrações de apoio ao senador pelo Arizona, a votação passou quase despercebida nas ruas de Phoenix, onde o clima eleitoral era quase inexistente, para o que contribuiu a proibição em vigor neste condado ao uso de símbolos a favor de um ou outro candidato.

Também não foram registrados incidentes significativos, com exceção das pequenas filas na abertura dos colégios eleitorais, algumas das quais abriram com atraso, ou das queixas de eleitores sobre a mudança de suas seções em relação ao pleito passado.

Longe do centro, em uma zona modesta do bairro de Glendale, o apoio dos eleitores foi para Obama.

"Acho que nunca estivemos tão mal, e penso que precisamos de mudança em todos os EUA. Antes eram muitos os hispânicos e os índios americanos que não estavam registrados para votar, mas agora isso mudou", disse à Efe Juan Flores, um americano cuja família é originária do México.

A previsão é que mais de 80% dos eleitores do Arizona compareçam às urnas. A metade deles preferiu votar antecipadamente.

Além de votarem para presidente, os cidadãos do estado também se pronunciarão sobre oito propostas referentes a regulações locais.

A mais polêmica propõe que o casamento figure na Constituição estadual como um enlace exclusivo entre um homem e uma mulher. EFE fmx/sc

    Leia tudo sobre: eleições eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG