PITTSBURGH - Com o candidato Barack Obama à frente em todas as pesquisas, a campanha democrata teme que, na hora do voto, muitos americanos deixem de votar em Obama por ele ser negro. Isso já aconteceu na década de 80, quando o prefeito de Los Angeles Tom Bradley liderava as pesquisas para governador mas perdeu a disputa por não ter votos suficientes entres os subúrbios brancos da Califórnia.

"O efeito Bradley não deve acontecer em larga escala nesta eleição. Se raça fosse um problema, isso já teria sido demonstrado nas primárias", afirma John H. Stanfield , professor do Departamento de Estudos Afro-Americanos da Indiana University.

"Certamente haverá algo como o efeito Bradley no dia 4 de novembro. Afinal, estamos na América. Mas o país mudou muito desde os anos oitenta e isso não deve afetar diretamente a candidatura de Obama", diz Stanfield.

Segundo o professor, o fato de Obama ter vencido as primárias contra Hillary Clinton e continuar subindo nas pesquisa contra John McCain aponta que a questão racial foi deixada para trás para a maioria dos eleitores.

"O que importa para a maioria dos americanos, até para os brancos e negros com preconceitos raciais, é eleger alguem que se importe com o povo. As pesquisas mostram que as pessoas vão votar em Obama porque ele tem uma boa mensagem, liderança e estilo que seu oponente não tem", explica Stanfield.

Apesar das qualidades de Obama, Stanfield ressalta que ele "não deixa de ser um político". "Será necessário que o povo que o elegeu sempre o lembre disso por causa das pressões que ele vai sofrer em Washington como presidente e como primeiro negro a chegar ao cargo", alerta o professor.

O apoio de Powell

"Apesar de o endosso de Colin Powell estar sendo minimizado pela campanha republicana e pela mídia de extrema direita, ele certamente deixa uma impressão positiva na esfera pública. Powell ainda é uma figura pública muito popular aqui nos EUA, que muitos respeitam", afirmou o professor.

Segundo Stanfield, a tentativa da imprensa republicana de tachar o apoio de Powell como um fato racial não tem surtido efeito porque programas de rádio como o de Rush Limbaugh "já não têm mais a influência que tinham nos anos 80 e 90".

"As táticas da campanha de McCain e a mídia de direita de tentar incluir a raça na disputa está tendo um impacto insignificante na campanha e, muitas vezes, até se voltando contra a própria candidatura republicana", concluiu.

Leia também:

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.