Obama vai abrir mão dos fundos públicos para financiar sua campanha

O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, afirmou nesta quinta-feira que não vai utilizar fundos públicos para bancar sua campanha, após receber o apoio financeiro de mais de 1,5 milhão de partidários.

AFP |

"Tomamos a decisão de não participar do sistema de financiamento público para as eleições gerais", disse Obama em uma mensagem de vídeo para os simpatizantes, não acatando uma promessa do ano passado, de utilizar fundos do Tesouro federal, abrindo a possibilidade de arrecadar quanto dinheiro privado conseguir.

Com o sistema de financiamento público, os candidatos limitam seus gastos em troca dos fundos federais.

"Não é uma decisão simples, especialmente porque eu apóio um sistema robusto de financiamento público das eleições", disse o senador por Illinois, que se torna o primeiro candidato presidencial que renuncia ao dinheiro do Tesouro para campanha em eleições gerais.

Além disso, Obama alegou que o sistema financeiro está "quebrado" e que é necessário economizar todos os recursos possíveis para derrotas os republicanos na eleição de novembro.

"Isso significa que iremos renunciar a mais de 80 milhões de dólares em fundos públicos durante os meses final das eleições", disse o candidato.

De fato, essa decisão priva Obama de cerca de 85 milhões de dólares provenientes de fundos públicos, mas permite arrecadar mais dinheiro para a fase final de sua campanha, que irá começar oficialmente após a convenção nacional do Partido Democrata - de 25 a 28 de agosto em Denver (Colorado).

Obama até agora bateu recordes de arrecadação: 265,4 milhões de dólares, e recebeu apoio de mais de 1,5 milhão de pequenos doadores que colaboraram principalmente através da internet.

O candidato assinalou que essas operações "on-line" se tornaram uma base alternativa ao sistema de financiamento de Washington, em que, para obter fundos federais, os candidatos devem se limitar a gastar cerca de 85 milhões de dólares durante a temporada de eleições.

A equipe de campanha do rival republicano John McCain disse, na quinta-feira, que Obama traiu seus princípios ao tomar essa decisão.

"Hoje (quinta-feira), Barack Obama se revelou como outro típico político que fará e dirá o que seja mais conveniente", disse o diretor de imprensa de McCain, Jull Hazelbacker, em um comunicado.

O candidato democrata havia prometido, no ano passado, trabalhar "agressivamente" com os republicanos para chegar a um acordo para preservar o sistema de financiamento público.

Contudo, no vídeo, Obama insiste que esse sistema está "quebrado" e que McCain pode se beneficiar de doações ilimitadas, através do Partido Republicano e de grupos de direito que não estão afiliados diretamente a sua campanha.

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG