vazou em um blog político do jornal The Denver Post. Obama pedirá por mudanças e para que os EUA dêem um fim na política fracassada do Partido Republicano." / vazou em um blog político do jornal The Denver Post. Obama pedirá por mudanças e para que os EUA dêem um fim na política fracassada do Partido Republicano." /

Obama pede por mudança em discurso de hoje que vazou na internet

Partes do discurso que o candidato democrata Barack Obama fará, na noite dessa quinta-feira, http://www.politicswest.com/29442/obama_speech_excerpts_american_promisevazou em um blog político do jornal The Denver Post. Obama pedirá por mudanças e para que os EUA dêem um fim na política fracassada do Partido Republicano.

Redação com EFE |

AFP
AFP
Obama aparece de surpresa em almoço
da delegação de Illinois para agradecê-los
Obama começará o discurso lembrando de sua própria jornada pessoal, afirmando que mesmo com um pai do Quênia e uma mãe pobre do Kansas, ele conseguiu o chamado chegar onde está.

Sob o lema de mudança, Obama falará que é hora de todos se juntarem para manter o "sonho americano" vivo.

"Nos encontramos em um daqueles momentos definidores - um momento em que nossa nação está em guerra, nossa economia está em crise e a promessa americana foi ameaçada mais uma vez".

O aspirante à Casa Branca teve problemas para atingir grande parte dessa classe média e trabalhadora, para a qual se dirigirá hoje, e que parece ver nele um político sofisticado e incapaz de compreender suas preocupações mundanas.

Por este motivo, Obama e seus assessores lançaram uma campanha destinada a estabelecer pontos comuns entre o senador democrata e as classes média e baixa.

"Eu cortarei impostos para 95% de todas as famílias trabalhadoras. Porque em uma economia assim, a última coisa que precisamos é aumentar impostos da classe média".

Obama tambéma fará críticas ao governo Bush, afirmando que ele é responsável pela atual crise que o país vive, e que McCain representará uma continuidade de suas políticas fracassadas. 

"Esse momento - essa eleição - é nossa chance de manter, no século 21, a promessa americana viva. Porque semana que vem, em Minnesota (onde ocorrerá a Convenção Republicana) o mesmo partido que os deram dois mandatos de George W. Bush e Dick Cheney pedirá à esse país por um terceiro. E estamos aqui porque amamos os EUA demais para deixar os próximos quatro anos serem iguais aos últimos oito. No dia 4 de novembro, devemos erguer a voz e dizer: 'oito é demais'".

Em relação ao seu plano de governo, Obama irá dizer que pretende cortar impostos, ajudar pequenas empresas, investir em políticas de energia renovável e acabar com a dependência do petróleo estrangeiro.

"Pelo bem de nossa economia, nossa segurança e o futuro de nosso planeta, terei um objetivo claro como presidente: em dez anos, finalmente acabaremos com nossa dependência de petróleo do Oriente Médio".

Já em relação à políticas internacionais, Obama irá lembrar das adminstrações Roosevelt e Kennedy afirmando que irá restaurar os seus legados para defender o país.

Criticando a guerra do Iraque, Obama dirá que só irá enviar tropas se houver uma missão clara e com o compromisso de dar a eles os equipamentos necessários e os cuidados e benefícios merecidos no retorno aos EUA.

"Acabarei com a guerra no Iraque de maneira responsável, além da luta contra a Al-Qaeda e o Taleban no Afeganistão. Reconstruirei nosso Exército em caso de conflitos futuros. Mas também renovarei a diplomacia agressiva e direta que pode impedir o Irã de obter armas nucleares. Construirei novas parcerias para nos defender das ameaças do século 21: terrorismo e proliferação nuclear; pobreza e genocídio; mudanças climáticas e doenças. Restaurarei nossa posição moral para que a América seja, mais uma vez, a melhor esperança para todos".

Dia mais esperado

Segundo sua campanha, o discurso de Obama reunirá cerca de 75 mil pessoas e encerrará a Convenção Democrata em Denver que, entre outras coisas, entrará para a história por ter confirmado, pela primeira vez, a candidatura de um negro à presidência dos EUA .

Os últimos preparativos revolucionaram o estádio de futebol americano Invesco Field, sede do evento, patrulhado por um Exército de policiais e sobrevoado por helicópteros.


Invesco Field já está pronto para receber Obama / AP

Dia simbólico

O senador por Illinois aceitará formalmente a candidatura presidencial democrata 45 anos depois do mítico discurso "I have a dream" ('Eu tenho um sonho') do reverendo afro-americano e líder dos direitos civis Martin Luther King.

"Sonho com que meus quatro filhos vivam um dia em um país onde não sejam julgados pela cor de sua pele", disse Luther King há exatos 45 anos em um país muito diferente, no qual a possibilidade de um negro concorrer pela Casa Branca parecia impossível de ser alcançada.

A materialização do sonho de Luther King provocou ontem lágrimas de alegria no Pepsi Center, onde o senador afro-americano foi proclamado candidato presidencial democrata por aclamação.

Discurso pragmático

Obama começou a trabalhar em seu discurso durante suas recentes férias no Havaí, e o escreveu no fim de semana passado em um hotel de Chicago, a 15 minutos de sua casa.

O senador também leu seu famoso discurso "A audácia da esperança", pronunciado na Convenção de Boston de 2004 e que propiciou sua fulgurante ascensão na política americana em outro hotel de sua cidade. "É uma superstição", confessou recentemente.

O candidato democrata deixou claro que não pretende copiar sua aparição em Boston esta noite.

Ao contrário de 2004, quando introduziu sua incomum trajetória com um discurso emotivo e idealista, no qual falou de um "único" país capaz de transcender as divisões raciais e políticas, o discurso de hoje promete ser mais pragmático.

Obama, que escreveu seu discurso a lápis em um bloco de anotações, e o transcreveu depois no computador, buscou inspiração para esta noite em discursos de aceitação pronunciados por vários presidentes desde Ronald Reagan, até George H.W. Bush (pai do atual presidente), Franklin Roosevelt, Harry Truman e John F. Kennedy.

Leia também:

Leia mais sobre: Convenção Democrata - eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG