Obama e McCain discutem temas domésticos em terceiro e último debate presidencial

HEMPSTEAD (NY) - Os temas domésticos dominaram o terceiro e último debate presidencial dos Estados Unidos. A economia, prevista para ser o principal tema a ser discutido pelo democrata Barack Obama e o republicano John McCain, dominou a primeira meia hora do embate, mas os candidatos também falaram sobre energia, saúde, educação, o nível da campanha e as qualidades de seus companheiros de chapa.

Leandro Meireles Pinto, repórter do iG nos EUA |

Acordo Ortográfico

John McCain ainda fez menção ao Brasil ao dizer que, se eleito, eliminará a tarifa de importação do etanol feito a partir da cana-de-açúcar, além de cortar uma série de subsídios ao etanol norte-americano, feito a partir do milho.

"Eu eliminaria a tarifa de importação de etanol feito de cana-de-açúcar do Brasil", disse McCain no debate contra o rival Barack Obama.

Reuters
Candidatos discutiram principalmente temas domésticos
Candidatos discutiram principalmente temas domésticos

O terceiro e último debate presidencial era considerado decisivo para John McCain, já que nas últimas semanas Obama consolidou o primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, abrindo até 14 pontos de vantagem.

Cientes da importância do evento para uma eventual virada, os republicanos estavam bem organizados. Do início ao fim do debate, assessores de McCain distribuíram panfletos aos jornalistas que estavam na sala de imprensa. Os folhetos, intitulados fatos do debate, rebatiam afirmações feitas minutos antes por Obama. No total, foram distribuídos mais de 15 panfletos.

Joe, o encanador

Ao responder uma das primeiras perguntas, McCain fez referência a Joe Wurzelbacher, encanador que quer comprar uma empresa e que conversou com Obama na última semana , em Toledo, Ohio. No debate, Joe Wurzelbchaer passou a ser chamado de Joe, o encanador, e se tornou uma espécie de símbolo do americano comum, com quem o republicano falava olhando para a câmera. 

Obama também passou a se referir a Joe, que foi citado por diversas vezes e se tornou o personagem do debate, para a diversão da platéia e dos jornalistas da sala de imprensa.

Economia

AFP
Telões
Pessoas assistem ao debate
A primeira pergunta do moderador Bob Schieffer foi sobre os planos de cada candidato para solucionar a crise financeira que atinge os Estados Unidos. McCain afirmou que, em seu projeto, apresentou soluções para curto e longo prazo, enquanto Obama disse ter criado um pacote que foca na criação de empregos e na classe média.

Na réplica, McCain criticou Obama levantando um assunto discutido em todos os outros debates presidenciais: a política de cada candidato para os impostos. O republicano voltou a dizer que seu adversário quer aumentar as taxas de pequenas empresas, o que impedirá a geração de empregos.

O democrata negou as acusações, dizendo que tanto ele como McCain querem reduzir impostos, mas "a diferença está em como essa redução será feita". Obama afirmou que quer dar corte fiscal para 95% dos americanos, e brincou dizendo que gostaria que ninguém tivesse que pagar as taxas, nem mesmo ele. McCain rebateu: se você não gosta de impostos, não os aumente.

Quando o democrata criticou a política econômica do governo George W. Bush e afirmou que McCain daria continuidade a ela, o republicano respondeu com firmeza: senador Obama, eu não sou o presidente Bush. Se você queria concorrer com ele, deveria ter concorrido há quatro anos.

Energia

Tanto McCain como Obama disseram acreditar que é possível fazer com que os Estados Unidos reduzam sua dependência em relação ao petróleo estrangeiro. O republicano disse querer diminuir as importações feitas de Venezuela e países do Oriente Médio, aproveitando para criticar o adversário por querer fazer livre comércio com a Colômbia e a Venezuela. Obama não rebateu o comentário e preferiu dizer que é preciso mais investimentos por parte das indústrias automobilísticas. A economia verde deveria ser o motor dos próximos anos, afirmou.

Etanol brasileiro

McCain disse que, diferentemente de Obama, ele se opõe aos subsídios ao etanol produzido no Brasil porque eles provocam distorções no mercado e podem levar à inflação.

O presidente George W. Bush também se opõe à tarifa de 54 centavos por galão de etanol importado que o Congresso estendeu até 2010. A tarifa limitou as importações norte-americanas do etanol originário de países com amplos programas de biocombustíveis, como o Brasil, que produz 27,5 bilhões de litros anuais de etanol.

Saúde

AFP
Candidatos se cumprimentam antes do debate
Candidatos se cumprimentam antes do debate
Os candidatos defenderam a importância de melhorar o sistema de saúde. Obama disse que vai reduzir os custos dos planos e investir em tecnologia, enquanto McCain afirmou ser preciso oferecer um crédito para que a pessoa possa escolher o próprio seguro. Joe, você vai ter de pagar multa se não der a seus funcionários o plano que ele, Obama, exige, disse McCain, fazendo referência ao personagem do debate. "Até a Câmara de Comércio diz que meu plano é melhor. Isso vale para você também, Joe", respondeu Obama.

Educação

Quanto ao sistema educacional, Obama afirmou ser necessário investir mais, aumentar os salários, melhorar a qualificação dos professores e tornar as faculdades mais acessíveis. McCain disse que "jogar dinheiro no  problema não é resposta", pois mesmo as piores escolas recebem incentivos. Para ele, é importante estimular os professores e criar programas de investimentos que também levem em conta a inflação.

Aborto

O mediador perguntou se Mccain e Obama escolheriam os juízes da Suprema Corte baseados em suas competências técnicas ou em sua opinião sobre uma determinada questão, dando o aborto como exemplo.

Os candidatos responderam que escolheriam os juízes por sua competência. Sobre o aborto, McCain afirmou que a decisão de interromper uma gravidez deve ficar com o Estado. Obama classificou a escolha como difícil, mas disse acreditar que as mulheres têm condição de tomar a decisão correta.

Campanha

Questionados sobre o baixo nível da campanha, na qual termos como mentiroso e terrorista foram usados, os candidatos trocaram novas acusações. McCain disse que Obama gastou dinheiro com mentiras e nunca repudiou comentários agressivos feitos por colegas de partido, enquanto o democrata afirmou que, segundo pesquisas, os eleitores consideravam a campanha de seu adversário mais negativa que a sua .

Candidatos a vice

Os candidatos foram questionados sobre as qualidades de seus companheiros de chapa. Obama afirmou que Joe Biden, como ele, acredita que é preciso investir no americano, na pequena empresa e na independência energética. McCain afirmou ter orgulho de Palin, um modelo de mulher que, no governo do Alasca, soube lutar contra a corrupção.

Quando o mediador pediu que cada candidato falasse sobre o vice de seu oponente, Obama elogiou o trabalho de Palin com crianças que têm necessidades especiais, enquanto McCain disse que Biden era um bom político, mas que cometeu equívocos, como ser contra a Guerra do Golfo.

AFP
Debate nos EUA
Obama e McCain durante o terceiro e último debate nos Estados Unidos

Avaliação

Em suas considerações finais, McCain se apresentou como um líder capaz de dar novo direcionamento aos Estados Unidos. "Peço que examinem meu histórico e minhas propostas, e me dêem a honra de servir ao país novamente", disse o veterano de guerra.

Obama também falou sobre a necessidade de uma mudança política. "Tenho certeza de que nossos melhores dias estão diante de nós. Vamos criar a nova economia do futuro, políticas que vão ampliar salários e aumentar a nossa classe média", concluiu.

Após o debate, David Plouffe, coordenador da campanha de Barack Obama, afirmou que o candidato democrata conseguiu se conectar com o público americano e que McCain ficou agressivo durante toda a discussão. "Eles só têm 20 dias para virar o jogo, então partem para ataques que não interessam ao povo americano", afirmou Plouffe.

O estrategista da campanha de McCain, Steven Schmidt, disse que o candidato republicano fez um "trabalho eficiente" que deverá ter reflexos nas próximas pesquisas. "McCain exibiu suas propostas sobre a economia e mostrou que é a melhor escolha", disse.

Debates anteriores

Pouco foi discutido sobre política externa, ao contrário do que aconteceu nos dois debates anteriores, realizados nos dias 26 de setembro e 7 de outubro. Pesquisas revelaram que, para o eleitorado norte-americano, o democrata saiu vencedor nas duas ocasiões.

No primeiro encontro , os principais temas discutidos foram a situação econômica e a política externa dos Estados Unidos. Os candidatos divergiram, sobretudo, em relação à Guerra do Iraque, pois Obama defendeu o fim do conflito e McCain disse que ainda não é possível retirar as tropas do país.

O segundo debate foi quase totalmente dedicado à economia. Obama e McCain trocaram críticas sobre a política de impostos defendida por cada um, mas ambos consideraram ser fundamental buscar fontes de energia alternativas para reduzir a dependência dos Estados Unidos em relação ao petróleo comprado no exterior.

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG