Obama alerta contra excesso de confiança

NOVA YORK - O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, aconselhou seus seguidores, nesta quinta-feira, a evitarem o excesso de otimismo, apesar de ter aberto uma ampla vantagem sobre seu adversário, John McCain, nas pesquisas de intenção de voto.

Redação com agências internacionais |


Acordo Ortográfico Um dia depois do último debate presidencial, Obama lembrou eleitores de Londonderry, em New Hampshire, que em janeiro todos esperavam a sua vitória nas primárias democratas desse Estado, onde, no entanto, a vencedora foi Hillary Clinton.

"Estamos a 19 dias de mudar este país - 19 dias. Mas, para quem está ficando convencido, tenho duas palavras: New Hampshire. Aprendi aqui que você não pode se acomodar ou prestar atenção demais às pesquisas", disse.

Até agora, todos os astros parecem se alinhar a favor de Obama. Ele lidera nas pesquisas nacionais de opinião e também em vários Estados estratégicos para a eleição do dia 4.

Nos mercados de apostas, a expectativa de vitória para Obama é superior a 80%. A agência irlandesa Paddy Power já o declara vencedor, e vai pagar antecipadamente um total de mais de US$ 1,35 milhão para quem apostou que Obama será o próximo presidente dos EUA.

Apesar de Obama ter pedido para que seus seguidores não "cantem vitória antes da hora", a agência AFP informou que assessores do democrata estudam dois grandes parques (o Millenium Park e o Grant Park) localizados no centro de Chicago (Illinois), como possíveis locais para a festa da vitória, na noite da eleição.

Enquanto Obama fez campanha em Nova York e New Hampshire, McCain foi à Pensilvânia, um dia depois de ambos se enfrentarem no terceiro e último debate presidencial, em que o protagonista foi um encanador de Ohio.

Joe, celebridade política

A nova celebridade política nos EUA - ao menos por um ou dois dias - é Joe Wurzelbacher, " o encanador Joe ", que disse a Obama num evento de campanha que pretendia abrir uma pequena empresa em Holland, Ohio, mas que temia os impostos.

Joe foi citado mais de 20 vezes durante o debate, quando ambos os candidatos argumentavam ter a melhor receita para resolver os males econômicos dos EUA e ajudar o encanador.

Wurzelbacher passou a manhã inteira dando entrevistas, mas não declarou voto. Pareceu, no entanto, estar mais inclinado pelo republicano. "McCain apareceu com alguns pontos sólidos, e fiquei bem feliz com isso", disse ele ao jornal "Toledo Blade".

Em comício em Downingtown, Pensilvânia, McCain rapidamente incorporou Wurzelbacher ao seu discurso, argumentando que pequenos empresários, como o encanador Joe, veriam os impostos subirem num governo Obama.

"O senador Obama disse ao Joe que queria espalhar a riqueza. A América não se tornou a maior nação da Terra espalhando a riqueza; nós nos tornamos a maior nação da Terra criando novas riquezas", disse McCain.

Karl Rove, que foi o mentor das duas vitórias eleitorais do presidente George W. Bush, escreveu na quinta-feira, no "The Wall Street Journal", que uma virada de McCain seria "a mais impressionante e improvável desde Harry Truman em 1948".

Com informações da Reuters e da AFP

Leia também:


Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG