Obama ainda não sabe como responder o fenômeno Sarah Palin

Barack Obama, acusado de sexismo pelos republicanos, ainda não encontrou o tom das respostas ao fenômeno Sarah Palin, a companheira de chapa do adversário republicano John McCain na disputa pela Casa Branca, o que provoca perdas com o eleitorado feminino.

AFP |

Segundo uma pesquisa publicada quinta-feira pela Universidade de Quinnipac, os eleitores entrevistados em três estados chaves - Flórida, Ohio e Pensilvânia - onde a votação será apertada em 4 de novembro, consideram boa a escolha da governadora do Alasca por McCain: 60% contra 26% na Flórida, 57% contra 30% em Ohio e 55% contra 33% na Pensilvânia.

Ao mesmo tempo, a chapa republicana se beneficia cada vez mais do apoio das mulheres brancas, com quatro pontos a mais em Ohio numa comparação com agosto, cinco a mais na Pensilvânia e dois a menos na Flórida, onde já tinha um percentual alto.

John McCain e Sarah Palin tem maioria entre as mulheres da Flórida (47% contra 45%). A situação não é a mesma nos outros dois estados, mas os republicanos ganham terreno.

Enquanto McCain parece estar recuperando parte dos seguidores da democrata Hillary Clinton, os republicanos passaram a usar uma declaração de terça-feira de Barack Obama, a de que o programa do adversário equivalia a "colocar batom em um porco".

"Com certeza vocês viram os ataques vergonhosos que o senador Obama e seus aliados liberais fizeram contra nossa candidata à vice-presidência, a governadora Sarah Palin", afirma uma mensagem indignada da campanha de McCain enviada aos simpatizantes. "Estes ataques falsos e ofensivos deven parar", acrescentar.

Em um vídeo, a campanha de McCain exibe a declaração de Obama sem a intrrodução e conclui: "Barack Obama está pronto para governar? Não. Pronto para insultar? Sim".

Obama conseguiu responder apenas que a polêmica, "feita de mentiras e de falsos escândalos", afasta o debate das questões importantes: crise energética, sistema educativo, economia, guerras no Iraque e Afeganistão.

Palin, que está sob os holofotes depois de uma série de revelações embaraçosas por parte da imprensa, incluindo um caso de mau uso de fundos públicos no Alasca, não vê o apoio popular reduzir.

Ela continua sendo, para os eleitores, uma opção melhor que Joe Biden, o candidato a vice de Barack Obama, segundo uma pesquisa do canal CNN.

O efeito Palin, sem sombra de dúvidas, impulsiona a campanha de McCain. No entanto, para alguns analistas, como Thomas Mann da Brookings Institution, ligada aos democratas, isto é efêmero.

"Toda a história de McCain e Palin para as eleições - o herói de guerra e a mãe que parte para Washington para fazer um pouco de limpeza - tem tanta falta de credibilidade que desabará antes da votação", disse.

Já Karl Rove, estrategista de George W. Bush entre 2000 e 2004, afirmou ao Wall Street Journal que "com Palin, Obama enfrenta um fenômeno que modificou a dinâmica das eleições".

"Os americanos poucas vezes viram alguém que atraiu tão rápido tanta quantidade de eleitores de maneira tão imponente", opinou.

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG