Negros dos EUA festejam vitória de Obama

ATLANTA - Em igrejas e bares, nas ruas e nas casas, os afro-americanos comemoraram com lágrimas e gritos de júbilo a histórica vitória de Barack Obama na eleição presidencial dos Estados Unidos, na terça-feira.

Reuters |

Em Nova York, pessoas de todas as raças lotaram as ruas numa caminhada da Broadway e da Universidade de Columbia até o escritório de campanha de Obama aos gritos de "O-ba-ma".

Os eleitores do presidente eleito também dirigiram seus carros em festa pelas ruas de Washington durante horas, buzinando e festejando. Uma multidão de milhares de pessoas se concentrou do lado de fora dos portões da Casa Branca para comemorar madrugada a dentro.


Eleitoras de Obama em Atlanta comemoram vitória histórica / AP

Em Atlanta, milhares de pessoas participaram de uma vigília no túmulo do líder negro Martin Luther King, que foi assassinado depois de lutar pelos direitos civis nas décadas de 1950 e 60. Os negros da cidade lotaram a igreja Batista Ebenezer, onde King pregou. Um coral gospel fazia o acompanhamento para dois telões que exibiam os resultados, e a vitória foi muito celebrada com uma gritaria ensurdecedora.

Os negros representam cerca de 13 por cento da população dos EUA, e estima-se que mais de 90 por cento deles tenham votado em Obama, que será o primeiro negro a governar os Estados Unidos.

"Na noite anterior ao assassinato de King, ele disse: 'eu estive no alto da montanha, olhei o horizonte e vi a terra prometida. Talvez eu não chegue lá com vocês", disse o pastor Raphael Warnock. "Hoje nós conquistamos a promessa da América."

Em Chicago, o reverendo Jesse Jackson esteve entre uma multidão de dezenas de milhares de pessoas que comemoravam a vitória de Obama. Jackson, que tentou duas vezes a Presidência dos EUA, não conteve as lágrimas que escorreram pelo rosto. Ele testemunou o assassinato de King, há 40 anos, em Memphis.

"Martin Luther King deu a sua vida para que um homem de cor pudesse ser presidente ou uma mulher pudesse ser vice-presidente", disse o ativista Al Sharpton, referindo-se à derrotada candidata republicana a vice, Sarah Palin.

"O sonho era não só chegar a um lugar elevado. Era usar um lugar exaltado para ajudar a todos", disse Sharpton, parafraseando o famoso discurso "Eu tenho um sonho", proferido em 1963 por Martin Luther King.

A campanha democrata

  • Barack Obama, o candidato com a proposta de "mudança"
  • Joe Biden, um veterano em temas de segurança nacional
  • Principais metas dos democratas nos EUA
  • A campanha de Obama em imagens
  • Relembre a campanha democrata; veja galeria de fotos

    Entenda

    Opinião

  • Caio Blinder: Parabéns, presidente Obama
  • Gerald Thomas: Obama é o novo presidente dos EUA
  • Nahum Sirotsky: Após 200 anos, completou-se a revolução democrática americana 

    Leia também:

    • Leia tudo sobre: eleições nos eua

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG