Washington, 20 ago (EFE) - O cineasta Michael Moore quer que a chapa democrata para as eleições de novembro seja Obama-Kennedy, com Caroline Kennedy, a filha do presidente dos Estados Unidos assassinado John F. Kennedy, como companheira de Barack Obama.

Exatamente no momento em que o candidato democrata à Casa Branca está imerso no processo de escolha do vice-presidente, Moore, um homem da ala esquerda do partido democrata, pediu a Obama em carta divulgada hoje que deixe de lado aspirantes mais convencionais e escolha alguém que não seja um político profissional.

Essa pessoa, em sua opinião, deve ser Caroline Kennedy, a quem descreveu como "uma das mulheres mais queridas e respeitadas" nos Estados Unidos.

"Não posso pensar em uma chapa de maior êxito que uma que diga: Obama-Kennedy", afirmou Moore na carta que enviou a Kennedy, porque é precisamente ela quem lidera o comitê ao qual o senador por Illinois encarregou de encontrar o melhor companheiro de candidatura.

Na carta, divulgada em seu site, Moore aconselha Obama a não escolher os senadores Joseph Biden e Evan Bayh, dois dos nomes mais cotados para o posto, porque votaram a favor da autorização legislativa que permitiu ao presidente americano, George W. Bush, invadir o Iraque.

Em "Fahrenheit 11 de Setembro", de 2004, Moore criticou de forma ácida os motivos da intervenção militar no país.

Em sua carta, também sugeriu a Obama que não selecione Tim Kaine, governador da Virgínia, alegando que ele é pouco conhecido no país.

Por outro lado, Caroline Kennedy tem o sobrenome de uma das famílias políticas de mais peso dos EUA.

A única filha viva de JFK deu seu apoio a Obama em um momento-chave, dias antes do bloco de primárias conhecido como "super-terça", em 5 de fevereiro.

Caroline disse em artigo de opinião publicado no jornal "The New York Times" que Obama pode ser um presidente comparável ao que foi seu pai.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.