McCain pesa prós e contras de candidatos a vice

Já definido como candidato do Partido Republicano à Presidência dos Estados Unidos, o senador John McCain começa a considerar os vários prós e contras de diversos potenciais companheiros de chapa.

Reuters |



Analistas dizem que a escolha não será fácil. Se o candidato a vice for um conservador, isso pode afastar os eleitores moderados que McCain tanto cobiça. Se escolher um centrista, pode alienar os conservadores, que já torciam o nariz para o senador durante a disputa republicana.

Um exemplo desse dilema é o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney, derrotado por McCain nas primárias republicanas, e que não esconde que gostaria de ser candidato a vice.

Conservadores lembram que Romney apoiou o direito ao aborto em Massachusetts antes de adotar posturas mais direitistas na disputa presidencial.

'Se o governador Romney estiver na sua chapa, muitos eleitores socialmente conservadores vão considerar seus valores repudiados pelo Partido Republicano e vão ficar longe das urnas em novembro ou vão votar contra a chapa', alerta carta enviada a McCain por 20 líderes conservadores.

A secretária de Estado Condoleezza Rice também vem sendo citada pela imprensa nas últimas semanas como possível candidata a vice, embora rejeite essa possibilidade. Uma pesquisa WNBC/Marist mostrou que a dupla McCain-Rice derrotaria no Estado de Nova York, tradicional reduto democrata, uma chapa formada por Barack Obama e Hillary Clinton.

Em entrevista na quinta-feira à rede ABC, McCain disse não ter conversado com Rice sobre a possível dobradinha. 'Mas todos nós admiramos Condoleezza Rice. Ela é uma grande americana. É um modelo para todos nós', afirmou.

Mas Rice também atrairia um risco político, já que daria argumentos aos democratas que acusam McCain de apenas imitar as impopulares políticas do presidente George W. Bush.

O estrategista republicano John Feehery acha que Rice, por ser negra, ajudaria a equilibrar a disputa contra Obama (que pode se tornar o primeiro negro a governar os EUA) ou Hillary (que tenta ser a primeira mulher presidente do país). 'Seria uma escolha histórica. Mas não sinto que se baseie na realidade.'

E que tal algum outro republicano derrotado por McCain na disputa prévia? Também eles teriam seus prós e contras.

O ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani nunca foi digno da confiança dos conservadores, devido a suas posições tolerantes a respeito do aborto e de direitos dos homossexuais.

Já o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee é considerado inexperiente demais para ser o primeiro na linhagem sucessória depois de McCain, que seria a pessoa mais velha já eleita para um primeiro mandato presidencial nos EUA. Finalmente, o ex-senador Fred Thompson nunca chegou a empolgar o eleitorado.

'Há um grande banco de candidatos presidenciais, mas um banco mais magro de candidatos a vice-presidente', disse Ken Weinstein, analista político do Instituto Hudson. 'Vários candidatos a presidente seriam difíceis de vender [como candidatos a vice].'

É notório que McCain se dá muito bem com o senador Joe Lieberman, sem partido, que seria uma boa opção para atrair independentes. Porém, os conservadores não esquecem que Lieberman foi candidato a vice do democrata Al Gore em 2000.

Leia mais sobre: eleições nos EUA


    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG