McCain diz que teria demitido autoridade financeira dos EUA

O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, disse na quinta-feira que uma importante autoridade financeira do governo Bush deveria ser demitida por não ter regulamentado as atividades de Wall Street e permitido que os mercados fossem usados como um cassino.

Reuters |


Os comentários de McCain sobre Christopher Cox, presidente da SEC, o órgão regulador do mercado acionário norte-americano, visam estabelecer uma distância entre o candidato e o impopular presidente George W. Bush, além de provar que McCain estaria disposto a promover reformas profundas e duras.

No mesmo dia, a campanha dele criticou o rival Barack Obama por não dizer claramente se aprovou ou não a encampação da seguradora AIG pelo governo, na terça-feira, a um custo de 85 bilhões de dólares.

Cox é um ex-deputado republicano, e a SEC é um órgão público encarregado de proteger investidores e fiscalizar os mercados financeiros, a exemplo da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no Brasil.

"O regulador primário de Wall Street, a SEC, manteve em vigor regras comerciais que permitiram aos especuladores e fundos de 'hedge' transformar nossos mercados em um cassino", disse McCain num comício na Flórida.

"O presidente da SEC serve por nomeação do presidente, e na minha opinião ele traiu a confiança do público. Se eu fosse o presidente hoje, eu o demitiria."

A Casa Branca pareceu surpreendida com a declaração, e a porta-voz Dana Perino disse que Bush mantém a confiança em Cox.

McCain também tentou vincular Obama a ex-funcionários das instituições hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, também amparadas neste mês pelo governo. McCain disse que Obama foi o segundo senador que mais recebeu contribuições eleitorais de executivos das duas empresas.

"De que lado vocês acham que ele está? Quando propus uma legislação para reformar a Fannie Mae e o Freddie Mac, o senador Obama ficou em silêncio", disse o republicano.

As pesquisas mostram que Obama tem mais confiança do eleitorado para comandar a economia, uma impressão que pode ter se aprofundado depois de McCain declarar que os fundamentos da economia dos EUA estão sólidos.

Nesta semana, o republicano defendeu mais regras para o mercado financeiro, contrariando sua tradicional oposição à intervenção do Estado.

O senador democrata Harry Reid afirmou que McCain agora ataca Obama porque está habituado a "ir atrás da primeira pessoa que der para desviar a atenção dos seus próprios erros".

Seu colega de partido Charles Schumer disse que tanto McCain quanto Bush manifestaram apoio à eliminação de regulamentações, e que talvez fosse o caso de McCain "pedir a Bush que se demitisse, em vez de Cox".

    Leia tudo sobre: mccain

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG