Manifestantes pedem que votos da Flórida contem nas primárias democratas

Washington, 30 abr (EFE).- Centenas de pessoas da Flórida se manifestaram hoje em Washington, capital dos Estados Unidos, para pedir que sejam contabilizados os votos das primárias realizadas no estado, penalizado com a perda de representação por antecipar a data das eleições.

EFE |

O evento, organizado pela Liga dos Cidadãos Latino-americanos Unidos (LULAC, na sigla em inglês), um grupo ativista que defende os direitos dos hispânicos nos Estados Unidos, foi realizado em frente à sede do Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês), em Washington, e reuniu cerca de 300 pessoas, segundo os organizadores.

O DNC penalizou Flórida e Michigan proibindo os estados de enviar delegados à convenção do partido que será realizada em agosto, em Denver (Colorado), por ambos terem antecipado as eleições, que ocorreram em janeiro.

A senadora democrata por Nova York Hillary Clinton venceu as eleições nos dois estados, embora nem ela nem seu adversário pela candidatura da legenda, Barack Obama, tenham feito campanha nestes locais.

O senador por Illinois chegou inclusive a retirar seu nome das cédulas em Michigan.

Luis Miranda, porta-voz do DNC, explicou à Agência Efe que o Comitê se comprometeu a ter uma delegação da Flórida na convenção.

Além disso, o Comitê de Regras democrata se reunirá no final de maio para ver o que fazer com os delegados escolhidos por votação popular na Flórida e em Michigan. Miranda indicou que o objetivo é encontrar uma solução até 1º de julho.

Mas essas promessas não convencem alguns dos presentes ao evento, como Haydee Rivero, de LULAC.

"Não me satisfaz o que o DNC diz, que as vozes da Flórida serão ouvidas", afirmou Rivero, cuja opinião é a de que se deve escolher os delegados correspondentes a cada um dos aspirantes democratas segundo seu percentual de voto nas duas eleições primárias.

O LULAC sustenta que os eleitores da Flórida não deveriam ser penalizados porque os legisladores do estado violaram as regras do partido ao antecipar as eleições, em uma tentativa de ter maior influência no processo.

Allison Vancott, uma voluntária da Cruz Vermelha de 51 anos e moradora da Flórida, disse que o sistema de representação democrática "está sob ataque" na Flórida e em Michigan devido à decisão do partido. EFE tb/rb/db

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG