Hillary Clinton sobe ao palco da convenção para sanar feridas

DENVER - Hillary Clinton falará à convenção democrata nesta terça-feira à noite, em um pronunciamento arquitetado para sanar as feridas surgidas no partido e para convencer seus inveterados simpatizantes a apoiarem a candidatura presidencial de Barack Obama.

Reuters |

Obama espera que essa participação de peso dê início ao processo de fechamento dos rachas produzidos durante a acirrada batalha das prévias e de conquista dos partidários de Hillary ainda indignados com o triunfo dele e com o fato de o candidato ter escolhido Joe Biden como seu parceiro de chapa.

Esse panorama lançou uma luz negativa sobre o dia de abertura da convenção, na segunda-feira, organizada para coroar Obama, 47, senador em primeiro mandato pelo Estado de Illinois, enquanto líderes da legenda e o próprio candidato preparam-se para as eleições de 4 de novembro, das quais participará também o republicano John McCain.

Obama tentou aliviar a tensão conferindo a Hillary, senadora por Nova York, e ao marido dela, ex-presidente Bill Clinton, papéis de destaque no encontro partidário. Clinton discursará aos democratas na quarta-feira.

"Há alguns dos simpatizantes da senadora Hillary com os quais teremos de trabalhar duro para convencê-los a aderir à nossa campanha. Isso não é algo inesperado", afirmou Obama a repórteres, na segunda-feira.

"No entanto, se olharmos para esta semana, tenho confiança absoluta de que tanto Hillary Clinton quanto Bill Clinton compreendem o que está em jogo."


Hillary Clinton é o grande nome hoje em Denver / AP

Na quarta-feira, Hillary será nomeada simbolicamente como candidata a presidente, mas espera-se que libere seus delegados para votarem em Obama, que seria então aclamado por unanimidade. Ao menos é isso o que prevê um acordo selado entre os dois.

Uma pesquisa de opinião, no entanto, mostrou o quanto Obama ainda tem de se esforçar. A enquete da CNN/Opinion Research indicou que o candidato e McCain estão empatados com 47 por cento das intenções de voto -- mas que apenas 66 por cento dos simpatizantes de Hillary apóiam Obama. Em junho, essa cifra era de 75 por cento.

Um montante de 27 por cento dos partidários da senadora disse que apoiaria McCain -- esse universo era de 16 por cento em junho.

Os republicanos continuam batendo na tecla de que Obama é inexperiente demais para assumir a Presidência norte-americana e afirmaram que o primeiro dia da convenção democrata não o ajudou a rebater esse argumento.

"O principal defeito dele, na opinião dos eleitores que ainda não se decidiram em quem votar, é a falta de experiência e os erros de julgamento, fatores prejudiciais para alguém que pretende tornar-se comandante-em-chefe. E eu não vi nada na noite passada que me faça acreditar na possibilidade de ele ter começado a sanar esses defeitos", afirmou ao programa Today Show, do canal NBC, Nicolle Wallace, porta-voz de McCain.

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG