Eleição na Flórida está cercada de expectativa após fiasco de 2000

O estado da Flórida chega à eleição presidencial de 4 de novembro com um reformado sistema de votação, mas sem conseguir apagar os temores de que um resultado apertado leve, novamente, a intermináveis disputas como a ocorrida em 2000, quando George W. Bush venceu o democrata Al Gore, depois que a Suprema Corte suspendeu a recontagem de votos.

AFP |

Considerado um estado sem cor política definida e que pode decidir a eleição pela quantidade de eleitores que concede, a Flórida volta a concentrar a atenção de organizações de controle eleitoral e de estrategistas de ambos os partidos, que desconfiam das garantias que, segundo autoridades locais, o novo sistema oferece.

Em dezembro de 2000, os confusos resultados na Flórida terminaram dando a presidência dos EUA a Bush por uma diferença de pouco mais de 500 votos sobre o adversário Al Gore, após várias e polêmicas recontagens manuais de cédulas que não coincidiam, processo esse que foi paralisado pela Suprema Corte.

Com reiteradas suspeitas em cada votação no estado, o governador republicano Charlie Crist fez uma reforma eleitoral, na qual se usará, a partir de agora, leitores ópticos que imprimem em papel as opções dos eleitores.

O novo sistema utiliza scanners ópticos que contam os votos emitidos em uma cédula de votação. Essa, por sua vez, é guardada para que seja possível verificar os votos em caso de dúvida, ou de problemas técnicos.

"Esperamos o dia das eleições com muita confiança", disse à AFP Jennifer Krell Davis, porta-voz do Departamento de Estado da Flórida, órgão encarregado do sistema eleitoral.

"A Flórida fez uma grande mudança em seu sistema de votação e de procedimentos desde o ano 2000. Regras e leis foram uniformizadas, e há um processo muito mais organizado e estável", frisou.

"Desde 2006, existe uma base de dados única para todo o estado com os eleitores registrados, algo que antes era administrado por cada condado, o que foi um grande avanço para eliminar a duplicação de pessoas registradas", destacou a porta-voz.

A Flórida assumiu a tarefa de reformar seu sistema de votação, após o fiasco de 2000, quando cédulas confusas, máquinas com defeito e listas incorretas fizeram que milhares de votos fossem perdidos.

As máquinas eletrônicas, que não deixavam um registro em papel, voltaram a dar problema nas eleições legislativas nacionais de novembro de 2006, quando cerca de 18.000 votos se perderam em Sarasota, oeste da Flórida, após terem sido registrados como abstenções. Não foi possível verificá-los.

"Não vou antecipar problemas", disse Barack Obama, há alguns dias, durante uma visita de campanha na Flórida. "Simplesmente, vou me preparar, assegurando-me de que tenhamos advogados em centros de votação em todas as partes".

Com a lição de Al Gore em mente, a campanha democrata distribuiu, por toda a Flórida, uma equipe de voluntários e agentes pagos para vigiar as eleições muito mais ampla do que a de McCain, menos preocupada com possíveis deslizes em um estado sob administração republicana.

"Para evitar outro escândalo como em 2000, o governador Charlie Crist aprovou uma lei que impede que as eleições possam ser decididas por contagem manual, na esperança de que, se houver problemas, não sejam notados", comentou a diretora da Coalizão para Eleições Justas na Flórida, Susan Pynchon.

Pynchon não duvida de que, se as eleições forem apertadas e a Flórida tiver, mais uma vez, um papel-chave na definição do novo ocupante da Casa Branca, "haverá problemas".

"Os dados não serão revelados, e não haverá, se for necessário, uma contagem manual", mas uma contagem limitada ao sistema computadorizado. Além disso, "as auditorias não são suficientes" e são feitas, tardiamente, depois que se anuncia o vencedor, alertou.

A enorme quantidade de novos eleitores registrados, que, na Flórida, são democratas em sua maioria, pode encontrar problemas para votar, diante da demora em processar a informação, antecipou Susan Pynchon.

Ela advertiu ainda que outro mecanismo dos partidos é enviar cartas às residências dos votantes e, se eles não forem encontrados, denunciar irregularidades em seu registro. Isso os obrigaria a fazer um novo trâmite para confirmar seus dados, sem o que sua participação pode ser impedida.

"Será posto em prática todo tipo de truque sujo para distorcer resultados em uma eleição apertada", avaliou Pynchon.

A Flórida é o quarto estado do país pela quantidade de eleitores. Quem ganhar a votação nesse distrito terá 27 delegados (ou eleitores) dos 270 necessários no Colégio Eleitoral para ganhar a presidência dos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: eleições dos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG