Economistas acham que McCain será melhor para o mercado

WASHINGTON - O mercado de ações dos Estados Unidos viveria tempos melhores no primeiro ano de mandato presidencial do republicano John McCain do que se o adversário democrata dele, Barack Obama, vencesse as eleições, afirmou a maioria dos economistas de bancos e de grupos de pesquisa entrevistados recentemente pela Reuters.

Reuters |

No entanto, a pesquisa com 29 empresas, feita com uma análise de mercado realizada regularmente pela Reuters, descobriu também que os economistas tinham opiniões conflitantes a respeito das propostas dos dois candidatos para a área.

Doze economistas dos 29 entrevistados deram aos planos de McCain as melhores notas, ao passo que 9 deram notas semelhantes para os dois, e 8 preferiram as políticas de Obama, revelou a pesquisa divulgada na quarta-feira.

A economia superou a guerra no Iraque e tornou-se o principal assunto das eleições presidenciais de novembro, a ser decidida entre McCain, senador pelo Arizona, e Obama, senador por Illinois.

O mercado imobiliário dos EUA, atualmente em crise, a retração na oferta de crédito e o preço cada vez mais alto dos alimentos e dos combustíveis fizeram com que a confiança dos consumidores norte-americanos caísse para a menor taxa dos últimos 28 anos.

A pesquisa, realizada nesta semana, afirmou que 21 dos economistas entrevistados viam em McCain uma melhor alternativa para o mercado de ações em seu primeiro ano de mandato. Seis escolheram Obama, e dois não responderam à pergunta.

As instituições financeiras dos entrevistados representam um corte do setor, incluindo empresas pequenas e grandes (várias delas são nomes de peso de Wall Street).

Para os investidores, uma preocupação central neste ano eleitoral tem sido os impostos que incidem sobre dividendos e ganhos de capital, algo que Obama prometeu aumentar.

O democrata também defende permitir que os descontos fiscais adotados pelo atual presidente dos EUA, George W. Bush, deixem de vigorar, ao passo que McCain deseja tornar essa medida permanente.

'Manter a taxa dos impostos sobre ganhos de capital e dividendos em 15 por cento é, na minha opinião, algo muito importante para os investidores e, sendo assim, muito importante para Wall Street', afirmou Hugh Johnson, diretor da área de investimento da Johnson Illington Advisors, em Albany (Nova York), ao explicar por que o mercado de ações viveria melhores tempos sob uma Presidência McCain.

O republicano disse que as medidas adotadas pelo Departamento do Tesouro e pelo Federal Reserve para ajudar as instituições de hipoteca Fannie Mae e Freddie Mac estavam corretas. McCain afirmou esperar que o Congresso as aprove.

Segundo Obama, qualquer manobra para resgatar as empresas deveria ter por alvo ajudar os proprietários dos imóveis e não apenas os acionistas, diretores e investidores das instituições.

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos euamccain

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG