Saiba tudo sobre a corrida à Casa Branca Direto dos EUA: http://colunistas.ig.com.br/fronteiralivre/ target=_toprepórter do iG acompanha a reta final da disputa http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoeseua/2008/11/03/caminho_rumo_a_casa_branca_passa_pelos_bairros_latinos_2091796.html target=_topCaminho rumo à Casa Branca passa pelos bairros latinos" / Saiba tudo sobre a corrida à Casa Branca Direto dos EUA: http://colunistas.ig.com.br/fronteiralivre/ target=_toprepórter do iG acompanha a reta final da disputa http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoeseua/2008/11/03/caminho_rumo_a_casa_branca_passa_pelos_bairros_latinos_2091796.html target=_topCaminho rumo à Casa Branca passa pelos bairros latinos" /

Crise financeira faz imigrantes brasileiros ficarem de olho na eleição americana

CHICAGO (IL) - Com cerca de 800 mil brasileiros vivendo nos Estados Unidos, segundo dados do Ministério das Relações Exteriores, a eleição deste ano atraiu atenção especial dos imigrantes no país por causa da crise financeira que já atinge as pessoas que vieram trabalhar nos EUA. http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoeseua/ target=_topSaiba tudo sobre a corrida à Casa Branca Direto dos EUA: http://colunistas.ig.com.br/fronteiralivre/ target=_toprepórter do iG acompanha a reta final da disputa http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoeseua/2008/11/03/caminho_rumo_a_casa_branca_passa_pelos_bairros_latinos_2091796.html target=_topCaminho rumo à Casa Branca passa pelos bairros latinos

Leandro Meireles Pinto, repórter do iG nos EUA |

Silvana Ramos mora legalmente em Chicago há 19 anos. Desde 1999, ela mantém uma loja de produtos brasileiros em Bucktown, região norte da cidade, e tem contato direto com a grande comunidade de brasileiros na região. "Agora a gente acompanha mais de perto a eleição, na esperança de mudar alguma coisa para melhor", disse.

Segundo Silvana, a situação para os imigrantes brasileiros piorou nos últimos tempos com a crise financeira nos Estados Unidos. "Ficou tão difícil para todo mundo. Tem muito brasileiro indo embora, desistindo por causa da falta de emprego", disse.

Silvana explicou que os brasileiros que trabalham na construção civil e na prestação de serviços, como entregadores e babás, "estão parados". "Muitos acham que não vale mais. Como o valor baixo do dólar e a falta de emprego, dizem que está melhor no Brasil do que aqui", disse.

A crise imobiliária também atingiu a comunidade brasileira em Chicago. Segundo Silvana, os impostos aumentaram e as parcelas aumentaram. "Muita gente está perdendo casa, deixando de pagar as prestações porque já não tem mais condições", lamentou.

A lojista disse que esta é a primeira vez que a comunidade brasileira se agita por causa da eleição no país. "Como o voto não é obrigatório, nunca demos importância pra isso", explicou.

Apesar de estar legalizada no país, Silvana não vai votar. "Mas meu marido e minhas enteadas vão votar. A brasileirada toda que está legalizada quer votar nessa eleição", disse. "Estou com muita esperança no Obama. Acho que ele vai melhorar, vai ajudar a diminuir os impostos", disse. "O McCain é visto como uma continuação do governo Bush", completou.

"Não vai mudar nada"

Na filial de uma churrascaria rodízio de alto padrão no centro de Chicago, diveros brasileiros trabalham como garçons e churrasqueiros. Luciano Pereira, de 36 anos, está nos EUA há seis e veio especificamente para trabalhar no corte da carne. "Para mim, não importa quem seja eleito. Não vai mudar nada a situação dos brasileiros aqui", disse.

Segundo Pereira, os imigrantes estão no fim da lista de prioridades dos candidatos. "Você vê que ninguém fala de imigração, legalização de imigrantes, da questão do muro no México", disse. Pereira está em Chicago com a documentação legalizada e emprego fixo na churrascaria. "Por isso a crise ainda não me atingiu. Aqui é difícil alguém tirar meu emprego, porque é uma coisa muito específica", disse.

O brasileiro diz, no entanto, que tem vários amigos que trabalhavam em outros restaurantes que estão sofrendo com a desaceleração da economia. "Antes o pessoal trabalhava de domingo a domingo, e como ganhamos por hora, o salário era bem alto. Agora os restaurantes estão dando folga para alguns garçons porque o movimento está fraco", explicou.

Mesmo assim, Pereira diz que não pretende se envolver na política. "Não sou registrado para votar, não faço campanha e, na verdade, nem acompanho muito. A única coisa que espero é que a economia volte a melhorar para que as gorjetas voltem a ficar gordas", brincou.


Brasileiros comentam eleição from Leandro Meireles Pinto on Vimeo .

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG