Candidatos à Casa Branca respeitam trégua no aniversário do 11/9

A cidade de Nova York e os candidatos à Casa Branca, Barack Obama e John McCain, abriram uma trégua nesta quinta-feira, dedicada às lembranças dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 contra o World Trade Center (WTC).

AFP |


Clique para ver a galeria de fotos das homenagens pelo mundo

As cerimônias do sétimo aniversário foram iniciadas às 8h40 (9h40 de Brasília) no local onde as torres gêmeas desabaram, no Marco Zero, que serão visitados durante o dia pelos candidatos democrata e republicano, em uma trégua excepcional, a menos de dois meses da eleição presidencial de novembro.

"Hoje lembramos o dia em que o mundo se partiu", declarou o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, antes de iniciar o primeiro minuto de silêncio às 8h46 para lembrar o instante em que o primeiro avião colidiu contra uma das torres.

Outros três momentos de silêncio foram respeitados durante a manhã, no momento em que o segundo avião atingiu a segunda torre (9h03), e depois quando os arranha-céus desabaram (9h59 e 10h29).

Medidas de segurança especiais foram implementadas em toda a área ao sul de Manhattan e nos arredores de Wall Street desde o início da manhã.

Ao som de um violoncelo, violinos e flautas, os familiares das vítimas se sucederam no microfone, com uma fita branca presa na roupa, para lembrar brevemente um pai, um irmão, uma filha ou um colega.

O presidente americano George W. Bush inaugurou nesta quinta-feira o primeiro memorial às vítimas do 11 de setembro no Pentágono, onde um avião seqüestrado atingiu o Departamento de Defesa, deixando 184 mortos além dos cinco seqüestradores.

"Um dos piores dias na história dos Estados Unidos no qual ocorreram alguns dos atos mais valorosos na história dos Estados Unidos", disse Bush. "Sempre honraremos os heróis do 11 de setembro e aqui, neste lugar sagrado, prometemos nunca esquecer seu sacrifício".

Após um minuto de silêncio, um oficial da Marinha fez soar o sino para cada uma das vítimas do ataque ao Pentágono, que ocorreu logo depois que outros dois aviões colidiram contra as torres gêmeas de Nova York. Um quarto avião seqüestrado caiu em um descampado na Pensilvânia.

"Os visitantes do memorial saberão que essa geração de norte-americanos cumpriu o seu dever", ressaltou Bush. "Não nos cansamos, não titubeamos e não fracassamos".

O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, lembrou os atentados no local da queda do vôo 93 da United Airlines, na Pensilvânia (norte), saudando "a coragem e o sacrifício" de seus passageiros.

"Eles entenderam a gravidade do momento, os riscos, e decidiram lutar ao custo de suas vidas", disse McCain sobre os passageiros do avião que caiu com 44 pessoas a bordo após uma luta entre seqüestradores e passageiros, alguns deles informados por telefone dos atentados de Nova York praticados com aviões seqüestrados.

McCain lembrou que o avião, que voava de Nova York para San Francisco, poderia ter como alvo o Capitólio em Washington.

Após a cerimônia oficial que durou toda a manhã, e na qual os nomes dos cerca de 3.000 mortos do 11 de setembro foram lidos, à tarde se reunirão no Marco Zero, em uma visita histórica, os candidatos presidenciais Barack Obama e John McCain.

Deixando de lado por um dia a guerra eleitoral, a menos de dois meses das eleições, em um momento de recrudescimento dos ataques de ambos os lados, os candidatos à Casa Branca suspenderam as propagandas políticas nesta quinta-feira.

"No 11 de Setembro, os americanos se uniram em todo o país para ajudar as famílias da vítimas, dar seu sangue e rezar pelo país", indicou Barack Obama em um comunicado publicado nesta quinta-feira.

"Vamos lembrar que os terroristas responsáveis pelo 11 de Setembro ainda estão livres e devem ser julgados. Vamos vencer as redes terroristas, defender a pátria americana, apoiar os valores americanos e procurar um novo impulso de liberdade aqui e no mundo", acrescentou o senador pelo Illinois.

O candidato democrata deverá almoçar com o ex-presidente Bill Clinton (1993-2001) antes de se reunir com seu rival em uma hora não indicada.

Obama e McCain deverão atravessar em silêncio o Marco Zero, cuja reconstrução sofreu vários atrasos. A primeira viga metálica do Memorial do 11 de setembro foi colocada há apenas uma semana, e sua inauguração está prevista para 2011.

"Não haverá discursos", esclareceu a porta-voz do democrata Obama, Linda Douglass. "Será um momento no qual a política será deixada de lado", explicou.

Após a visita, Obama e McCain irão à Universidade de Columbia (noroeste de Manhattan) e participarão separadamente às 20h00 (21h00 de Brasília) de um fórum sobre ação cidadã, informaram suas campanhas.

Leia mais sobre 11 de setembro

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG