Apesar da Califórnia, campanha eleitoral dos EUA evitará discutir a união gay

Apesar de milhares de homossexuais confluírem para a Califórnia (oeste) após a aprovação do casamento gay nesse Estado na segunda-feira, a campanha para a Casa Branca deste ano deverá evitar a questão, de acordo com analistas.

AFP |

Em 2004, as uniões homossexuais foram colocadas na campanha devido a referendos em certos Estados, mas o assunto parece menos controverso este ano, devido à convergência de opiniões dos candidatos, o republicano John McCain e o democrata Barack Obama.

McCain repetiu na segunda-feira que acreditava que a definição do casamento deveria ser limitada à união entre um homem e uma mulher. Contudo, se diz contra a proibição das uniões homossexuais na Constituição federal.

Obama também acredita que o termo 'casamento' só deve qualificar uma união heterossexual, mas afirma apoiar as parcerias civis entre casais homossexuais.

Para Joe Solmonese, presidente da organização de defesa dos direitos dos homossexuais "Human Rights Campaign", é pouco provável que a questão participe do debate este ano, e que a campanha irá se concentrar principalmente nos pontos econômicos e que tratam de política externa.

"Não vejo de forma alguma isso se tornar um problema importante", declarou Solmonese à AFP. "O debate é muito diferente do de 2004. Hoje, os eleitores preocupam-se com o Iraque, com o aumento do preço da gasolina e com a economia", constatou.

"Acredito que qualquer tentativa de um candidato à presidência de utilizar uma questão tão explosiva como a dos casamentos homossexuais encontraria uma resistência obstinada" na sociedade, assegurou esse ativista.

"Na melhor hipótese, isso não vai mobilizar os eleitores, na pior, para os republicanos, o assunto voltaria os eleitores contra eles", disse Matthew Dowd, antigo diretor-estratégico da campanha para reeleição de George W. Bush em 2004, citado pelo New York Times.

Os eleitores poderiam, desta forma, ser tentados a se perguntar "porque nós estamos debatendo o casamento gay enquanto deveríamos estar falando do que é importante, como a economia, o sistema de saúde ou a guerra?", diz Dowd.

A legalidade do casamento homossexual, contudo, será debatida pelo menos na Califórnia, onde os críticos da aprovação tiveram sucesso em reunir assinaturas suficientes para um referendo, em 4 de novembro, que irá determinar uma alteração constitucional que define o casamento como um ato legal entre um homem e uma mulher.

De acordo com Brian Brown, diretor do grupo conservador 'National Organization for Marriage', o casamento gay "vai ser uma questão essencial na Califórnia, porque os eleitores terão a oportunidade de censurar o Supremo Tribunal do Estado", que legalizou em 15 de maio os casamentos homossexuais.

"Não há dúvida de que isso vai repercutir na campanha presidencial em certos Estados, mas é outro ponto saber como o casamento gay vai influenciar" na escolha de quem os eleitores vão votar, diz Brown, assinalando que a maioria dos eleitores negros e hispânicos é contra o casamento homossexual, o que poderia custar votos a Obama.

Mas para David Cruz, professor de Direito da Universidade da Califórnia do Sul, a popularidade do candidato democrata junto aos jovens pode fazer diferença no resultado do referendo californiano.

"Se a participação for forte entre os jovens em novembro, isso deverá ajudar os partidários do casamento homossexual", observou, afirmando ainda que "as pesquisas mostram regularmente que os eleitores mais jovens não são contra" essas uniões.

rcw/fb

    Leia tudo sobre: casamento gay

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG