Deputado Gustavo Fruet diz que PSDB entra hoje com pedido de investigação sobre suposto esquema de espionagem

O deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) informou que seu partido ingressa ainda hoje (8) com um pedido de investigação do Ministério Público (MP) sobre o que os tucanos chamam de “estrutura de espionagem” que estaria sendo montada por integrantes da campanha petista. Segundo Fruet, a ação será um complemento ao pedido apresentado na semana passada pelo PPS, com o objetivo de colocar um “freio” na elaboração de dossiês para serem usados na campanha eleitoral.

“Não tem ninguém ingênuo nessa história toda. Há pessoas envolvidas que sempre trabalharam à margem da lei, e nosso objetivo é botar um freio nisso. Havia uma estrutura que estava sendo montada para espionar, e queremos o Ministério Público investigando isso”, disse o deputado.

Fruet referia-se a um encontro ocorrido no dia 20 de abril no restaurante Fritz, em Brasília, entre o delegado aposentado da Polícia Federal Onézimo Sousa, o jornalista Luiz Lanzetta, contratado para prestar serviços à campanha da pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, Idalberto Matias de Araújo, um sargento da reserva e ex-agente do serviço secreto da Aeronáutica conhecido como Dada, além do empresário Benedito Oliveira Neto.

De acordo com entrevista do delegado Onézimo Souza à revista Veja, a conversa teve o objetivo de acertar um esquema de espionagem ao pré-candidato tucano à Presidência da República, José Serra.

Lanzeta disse hoje (8) à Agência Brasil que, no encontro, apenas ouviu uma proposta do delegado sobre espionagem, levantou-se e foi embora.

“Não sei como pode. Eu ouvi a proposta e depois levantei e fui embora. Não entendo como, a partir daí, isso virou um caos na minha vida. Virei alvo de investigação de uma revista e de um jornal [O Estado de S. Paulo]. Eu não fiz nada”, afirmou o jornalista, cuja empresa de prestação de serviços, Lanza Comunicação, rompeu o contrato com a campanha petista no fim da semana passada.

Fruet disse que o tom da representação de hoje tem caráter preventivo. “Se aparecer algum dossiê no futuro, quando a campanha já tiver começado, nós já teríamos avisado”, disse o deputado.

“Alguém tem que avisar ao Fruet que ele está atrasado. Já tem investigação do Ministério Público sobre isso”, reagiu Lanzzeta, ao saber da representação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.