TSE: Pará é o Estado com maior número de ocorrências

Casos de prisão no segundo turno, no entanto, foram menores que na primeira etapa

Agência Estado |

selo

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o número de ocorrências no segundo turno foi menor que na primeira etapa até o momento. A diminuição pode ser reflexo da redução de concorrentes e, portanto, da diminuição de cabos eleitorais. Até às 13h25, foram registradas 77 casos de prisão e 72 sem detenção. A esta altura, no primeiro turno, já haviam sido apuradas 368 ocorrências com prisão.

Segundo dados divulgados há pouco pelo TSE, o Estado com maior número de ocorrências até o momento é o Pará, com 21 casos, sendo 19 com prisão. Em seguida, aparece a Bahia, com 19 ocorrências, sendo 11 prisões.

Um dos casos inusitados relatados pelo ministro é o que aconteceu em Goiana, município do interior de Pernambuco, onde o cartório eleitoral foi assaltado e os ladrões levaram cerca de R$ 13 mil que seriam utilizados para comprar as refeições dos mesários da cidade. Segundo Versiani, os assaltantes não foram encontrados, mas os mesários se cotizaram nas zonas eleitorais e conseguiram arrecadar R$ 10 mil para o almoço.

Além disso, as duas urnas que se encontravam em um barco que sofreu um acidente ontem à tarde no Amazonas precisaram ser substituídas por outras que foram levadas de helicóptero pelo Ministério da Defesa até suas respectivas zonas eleitorais. Da mesma forma, com a seca na região, helicópteros estão dando apoio aos eleitores que não conseguem chegar às suas sessões pelos rios.

Para o ministro Arnaldo Versiani, os mesários que foram presos por comparecer embriagados as suas sessões eleitorais são casos isolados em um universo de mais de 2,181 milhões de pessoas que trabalham nessa eleição. "Se trata de um péssimo exemplo, e espero que isso não volte a acontecer", afirmou.

Ele também avaliou o desempenho dos institutos de pesquisa no primeiro turno, quando várias divulgações de intenção de voto não refletiram os resultados apurados nas urnas. "É um bom sinal de que as pesquisas não estão induzindo os votos dos eleitores. Com isso, nas próximas eleições, os institutos devem tentar aumentar seus níveis de confiança, que parecem ter diminuído", concluiu.

    Leia tudo sobre: eleiçõestseurnasocorrências

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG