Os 3 candidatos foram punidos por propaganda antecipada. Vereador tucano também foi multado

O candidato ao governo de São Paulo Aloizio Mercadante (PT) e os candidatos a deputado federal João Paulo Cunha (PT) e Paulo Salim Maluf (PP) foram multados por propaganda eleitoral antecipada pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. Os três teriam promovido suas candidaturas antes do início oficial da campanha, no último dia 6 de julho. Como as sentenças foram feitas individualmente pelos juízes, ainda cabem recursos ao próprio TRE e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Mercadante foi multado no valor de R$10 mil por propaganda antecipada feita no programa partidário do PT, veiculado em 12 de março na TV e no Rádio. Segundo a sentença do tribunal, Mercadante termina o programa perguntando ao telespectador se ele não acha que, “depois de tanto já seria hora de dar ao PT a chance de governar todos os paulistas”.

Já João Paulo Cunha foi multado em R$5 mil por ter feito propaganda antecipada através de e-mails enviados em junho. Nas mensagens eletrônicas enviadas por Cunha estava escrito: “precisamos agora nos preparar para o desafio de continuarmos com o nosso Mercadante, a companheira Marta e uma forte bancada federal, para darmos sustentação no congresso ao nosso governo.”

Maluf, por sua vez, pode ter que pagar R$5 mil devido a mensagens postadas em seu microblog twitter entre os dias 21 e 29 de junho. Em uma das mensagens citadas na decisão, Maluf dizia a um internauta: “sei que terei seu voto como você já havia dito. Estarei na urna no dia 03/10. Grande abraço!!!”.

Vereador na capital, Floriano Pesaro (PSDB) também foi multado pelo tribunal em R$5 mil devido a uma mensagem no Twitter no dia 13 de junho com a afirmação “o Brasil e São Paulo podem mais com Serra e Alckmin”.

O político, que não é candidato a nenhum cargo esse ano, defende-se dizendo que não é o autor da mensagem. “É absolutamente injusto. Só dei retuitei (reproduzi) o que foi dito anteriormente. Vamos recorrer", disse Floriano.

(colaborou Nara Alves, iG São Paulo)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.