TRE barra 64 candidaturas no Espírito Santo

Entre os pedidos impugnados estão os dos ex-deputados José Carlos Gratz, Gilson Gomes e do ex-prefeito Vasco Alves

Flávia Salme, iG Rio de Janeiro |

O Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo estima concluir até o fim da tarde desta sexta-feira (6) o levantamento sobre o total de registros de candidaturas barradas pela Corte com base na Lei Ficha Limpa. Do total de 536 pedidos, 64 foram negados, mas ainda não se sabe quantos foram enquadrados na nova legislação.

Entre os impedidos de disputar as eleições de outubro estão o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Carlos Gratz, que tenta uma vaga no Senado pelo PSL. Seu advogado, Leonardo Gagno, afirmou que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O veto também atingiu o ex-deputado Gilson Gomes (PSDC) e o ex-prefeito de Vila Velha Vasco Alves (PSB). Enquanto apelam da decisão, todos podem fazer campanha e até participar da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

O registro de Gratz foi negado por unanimidade. Seu nome é envolvido em denúncias de desvio de pelo menos R$ 26,7 milhões da Assembleia Legislativa.

Gilson Gomes foi vetado por “má fé em suas condutas”. O ex-prefeito Vasco Alves, que tenta uma vaga na Assembleia Legislativa, foi barrado por ter suas contas de gestão rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por irregularidades na prestação de contas de um convênio com o Ministério da Saúde. Os dois políticos discordam das acusações e prometem recorrer.

Candidatos ao governo também foram vetados

O TRE-ES também impugnou o registro do candidato ao governo do Espírito Santo José Avelar, do Partido da Causa Operária (PCO). Desta vez, o problema não estava ligado à Lei Ficha Limpa, mas à falta de documentos.

A candidatura de Gilberto Caregnato (PRTB) também foi indeferida por falta de documentos do seu vice, Marcos de Carvalho Monteiro, que não estaria quite com a Justiça Eleitoral.

Os suplentes ao Senado nas candidaturas de Rita Camata (PSDB) e Renato Almeida (PSOL) também foram impugnados. Nestes casos, os candidatos podem ser substituídos e, se tudo estiver certo com os registros, regularizados pela Corte.

    Leia tudo sobre: eleições ESgratzgilson gomesvasco alves

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG