Temer se movimenta de olho no PMDB de Quércia

Com ex-governador paulista afastado para tratar câncer, vice de Dilma diz ver chance de atrair 'PMDB inteiro'

Nara Alves, iG São Paulo |

O candidato a vice-presidente de Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), intensificou nas últimas semanas sua agenda no interior de São Paulo. Enquanto o presidente do PMDB paulista, o ex-candidato ao Senado Orestes Quércia, afastou-se da campanha para tratar um câncer, Temer, presidente nacional do partido, aproveita para articular com lideranças da legenda no Estado. “O partido já estava mais ou menos inclinado a nos apoiar e agora o PMDB vem inteiro”, disse Temer ao iG .

Com um olho nas eleições de 3 de outubro e outro nas de 2012, Temer já conseguiu que os deputados estaduais Jorge Caruso (vice-presidente do PMDB-SP), Uebe Rezek e Baleia Rossi, e os federais Paulo Lima e Francisco Rossi assinassem um documento de compromisso de apoio à chapa petista. De acordo com Temer, os parlamentares "não estavam apoiando a chapa ( petista ). Estavam titubeantes, ou sem definições”.

Hoje em lados opostos, Quércia e Temer têm um passado de amizade e muitos aliados em comum. Se o afastamento de Quércia for definitivo, a fatia do PMDB quercista que ainda apoia o PSDB e o candidato tucano à Presidência, José Serra, poderá seguir Temer ou uma nova liderança. Nos bastidores, tucanos falam da ida do presidente do DEM e prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, para a legenda.

Oficialmente, o vice de Dilma minimiza os rumores sobre a saída de Kassab do DEM e diz não ver chances de a mudança ser concretizada, pelo menos no curto prazo. “Por enquanto, é boato. Ele ( Kassab ) não pode sair ( do DEM ) porque não tem 'janela'. Não pode sair sob pena de perder o mandato.”  A legislação eleitoral prevê que o mandato pertence ao partido, e não ao político.

Além de deputados estaduais e federais do partido, Temer articula apoio com sindicatos e associações. Ele tem se dedicado, ainda, a atender vereadores, prefeitos e candidatos de todas as regiões de São Paulo em seu escritório no bairro de Pinheiros, zona oeste da capital paulista. Sempre com “bons resultados”, como ele diz. Nesta semana, ele visita as cidades de Campinas e Tietê.

Indio da Costa

A movimentação de Temer ocorre no mesmo momento em que seu equivalente na campanha tucana, o vice Indio da Costa (DEM-RJ), submergiu após provocar polêmica no início da disputa presidencial.  Depois de fazer barulho ao acusar o PT de ligação com as Farc e com o narcotráfico, o vice de Serra agora se dedica a divulgar sua candidatura nos municípios cariocas.

Sem se envolver em novas polêmicas, ele ocupa sua agenda quase exclusivamente com panfletagem no interior do Estado e, eventualmente, acompanha Serra em compromissos fora do Rio, como em debates. Ontem, por exemplo, ele chegou atrasado mas compareceu ao debate organizado pela CNBB com os principais candidatos ao Palácio do Planalto. Indio também tem atuado na internet, enviando mensagens nas redes sociais e para emails cadastrados no site do PSDB.

Se por um lado o DEM corre o risco de perder seu principal representante em São Paulo caso se confirmem os rumores da saída de Kassab, por outro a legenda terá em Indio um novo nome de destaque no Rio. A avaliação é a de que, independentemente do resultado da eleição, o deputado terá como saldo garantido o aumento de sua popularidade não só no interior como na capital fluminense. Aos 39 anos, ele deixará sua primeira eleição majoritária como potencial candidato do DEM à Prefeitura do Rio em 2012, com a bênção do ex-prefeito e candidato ao Senado, Cesar Maia.

    Leia tudo sobre: eleçõeseleições indioeleições temer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG