Temer: questão eleitoral sufoca exame de sigilo violado

Para candidato a vice-presidente de Dilma, problema é quebra de sigilo de "centenas de pessoas" e não de "três ou quatro do PSDB"

Agência Estado |

selo

O candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (PMDB), afirmou que a questão eleitoral "está sufocando o exame da quebra do sigilo fiscal" por parte da Receita Federal e que o grande problema é a violação de sigilo de "centenas de pessoas" e não de "três ou quatro" indivíduos ligados ao PSDB.

"A quebra é muito mais ampla e isso que é grave, isso que deve ser apurado. Lá em São Paulo se vende CDs com dados referentes à Receita Federal de centenas de pessoas e isso é que tem que ser apurado, não se deve fazer isso apenas no campo eleitoral", disse.

O peemedebista afirmou também que a polêmica em torno do assunto não terá efeito eleitoral porque "a Dilma não tem nada a ver com isso". Temer participou no início da noite do Encontro Regional de Apoio à Dilma Rousseff Presidente, evento que reuniu mais de duas mil pessoas em Santos, no litoral paulista.

Questionado a respeito de seu partido estar dividido em São Paulo - onde o presidente estadual da legenda, Orestes Quércia, é candidato ao Senado ao lado dos tucanos, Temer afirmou que a grande maioria do partido apoia a chapa Dilma-Temer. Porém, ele não respondeu se será preciso realinhar a legenda após as eleições.

Segundo Temer, o PMDB reuniu centenas de lideranças em Jales e em Ribeirão Preto, no interior do Estado, onde muitos prefeitos apoiam a coligação com o PT. "A unidade do PMDB está se fazendo com muita tranquilidade e naturalidade", disse, ignorando a pergunta sobre o fato de o prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa (PMDB), ser um forte aliado da candidatura de José Serra (PSDB) e ter sido porta-voz do grupo de prefeitos que manifestou apoio ao tucano ontem.

    Leia tudo sobre: pleito 2010eleições dilmaeleições serratemersigilo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG