"Sou amigo do Serra, mas minha candidata é a Dilma", diz Lula

"Amizade é amizade, candidato é outra coisa¿, afirmou o presidente ao lado da candidata Dilma Rousseff em comício

Andréia Sadi, enviada a Valparaíso (GO) |

Em mais um comício ao lado de Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizou nesta segunda-feira (6), em Valparaíso (GO) o adversário José Serra (PSDB) ao dizer que ele está “nervoso” na reta final da campanha e disse que, apesar da amizade com o tucano, sua candidata é a Dilma. “Aí, chega um dia em que ele não tem mais o que fazer e resolve me colocar na TV ao lado dele. Porque eu sou amigo do Lula, o Lula não é da Dilma. Eu fui para a TV falar 'olha, eu sou amigo dele, mas minha candidata é a Dilma'. Amizade é amizade, candidato é outra coisa”, afirmou, referindo-se ao uso de sua imagem na propaganda de Serra.

Lula disse que José Serra está igual “biruta de aeroporto”, e ironizou o fato de que o tucano não faz comício, só passeata. "É capaz até que ele apareça amanhã no desfile de 7 de setembro. Acho que ele não tem coragem de juntar gente em uma praça".

O presidente lembrou como escolheu a então ministra da Casa Civil para candidata do PT e disse que foi criticado porque Dilma “não tinha experiência”. Lula afirmou que foi questionado por aliados e pela imprensa à época se indicar Dilma não seria uma estratégia para que, após o mandato de Dilma, Lula voltasse a governar.

Divulgação
Lula e a candidata Dilma Rousseff em Valparaíso, em Goiás
Seguindo a estratégia de comícios anteriores, a ex-ministra discursou por cerca de 15 minutos antes do presidente Lula. A candidata disse que a oposição está com “medo” de que uma mulher assuma a Presidência e pediu votos para a sua candidatura: “ Essa mulher será a primeira presidente do País. Podem ter certeza, nenhuma das falsidades e invenções que o desespero do meu adversário impedirá que o País siga mudando”, disse.

Dilma voltou a acusar a oposição de apelar para factóides durante a campanha eleitoral e disse que eles “apostaram errado” ao subestimar a inteligência da população. “Eles sempre são contra alguma coisa. Mas, tem um problema, além de subestimarem, eles esquecem que contra fatos não há argumentos. Nosso debate com eles não é baixar o nível”, afirmou, enquanto a militância entoava o seu nome.

Durante os minutos em que discursou, Dilma foi interrompida por gritos de “Lula, Lula” ao recordar a história do presidente. A candidata reforçou a condição de mãe ao falar de Dona Lindu, mãe do presidente. “A história do presidente é um pouco a história desse povo que não pode ser subestimado (..)Dona Lindu não sabia que ele seria presidente”, afirmou.

A candidata do PT voltou a pedir um Congresso forte com a eleição de senadores e deputados para aprovação de leis. Ela pediu votos para Rodrigo Rollemberg (PSB) e Cristovam Buarque (PDT), candidatos ao Senado no Distrito Federal, presentes no palanque.

Dilma afirmou ser importante ter “parceiros” para governar e disse ser um “absurdo” a população do entorno do Distrito Federal não ter transporte barato e hospitais fechados. “ Hospital fechado é sinal de incompetência. Nosso povo precisa de hospital aberto e funcionando. O governo Lula sabendo da falta de água na região começou a construção de adutora para trazer água para a região”, disse.

Além de Dilma e Lula, participaram do comício o vice Michel Temer e os ministros Alexandre Padilha (Relações Institucionais), Carlos Gabbas (Previdência), Celso Amorim (Relações Exteriores).

    Leia tudo sobre: eleições dilmapleito 2010lula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG