Skaf leva megaestrutura para comitê do PSB em São Paulo

Empresário deixa Fiesp e aluga casa de 2 mil m² no Jardim Paulista para o PSB-SP, que deverá ter menos de um minuto na televisão

Nara Alves, iG São Paulo |

A partir da próxima segunda-feira, dia 14 de junho, o presidente licenciado da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSB, Paulo Skaf, estará de casa nova. Após anos comandando um sistema que ele próprio descreve como “maior do que 99% das cidades brasileiras e maior do que alguns Estados brasileiros”, Skaf decidiu montar uma megaestrutura também para gerenciar sua candidatura, que até o momento tem 2% das intenções de voto (Datafolha) e menos de um minuto na televisão.

Depois de mais de três anos na Avenida Paulista, onde funciona a sede da Fiesp, o empresário irá se instalar em uma casa alugada por R$ 8 mil mensais na rua Canadá, no Jardim Paulista, uma das regiões mais nobres da capital paulista. A estrutura pode ser considerada enxuta se comparada ao pomposo edifício na Paulista, de onde Skaf comandava um orçamento de R$ 1,5 bilhão e 132 sindicatos patronais que representam cerca de 150 mil indústrias de diferentes cadeias produtivas. Ainda assim, é muito maior do que qualquer estrutura que o PSB paulista já tenha montado em uma eleição.

O novo local tem cerca de 2 mil metros quadrados e servirá de sede para 16 comitês regionais. "A gente está com muita gente. São cerca de 1000 pessoas envolvidas (incluindo militantes) em todo Estado, e 25 assessores de imprensa", diz o deputado federal e presidente do PSB-SP, Márcio França, coordenador da campanha. "Comparado ao que a gente tinha nas últimas eleições é uma megaestrutura", completa. A ideia da legenda é criar sub-governadorias para atuar "pedaço por pedaço", segundo França.

Adriana Elias/iG
Paulo Skaf na sede da Fiesp antes de licenciar-se da presidência

Nanicos nunca mais

Nas eleições de 2006, o PSB comemorou por superar a cláusula de barreira. O dispositivo legal (que não chegou a valer no Brasil por ser considerado inconstitucional) extinguiria partidos com menos de 5% do total de votos para a Câmara, os chamados nanicos. Naquele ano, o partido terminou a disputa ao governo de São Paulo com 39.857 votos, ou 0,19% do total. O candidato foi uma figura desconhecida no ambiente político, o professor Mario Luiz Guide.

Neste ano, para tentar alavancar o desempenho de Skaf e de olho nas eleições à Prefeitura de São Paulo em 2012, o PSB contratou o marqueteiro Duda Medonça, responsável pela campanha vitoriosa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002. O slogan da campanha criada por Duda para Skaf é "preste atenção neste cara".

    Leia tudo sobre: Paulo SkafPSBSão Paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG