Servidores presos sob suspeita de crime eleitoral

Funcionários foram detidos quando se preparavam para distribuir equipamentos a produtores rurais no Amazonas

Martha Bernardo, iG Amazonas |

Seis uncionários do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), ligado ao governo estadual, foram presos na manha desta quarta-feira, no município de Apuí (a 453 quilômetros de Manaus) suspeitos de praticar crime eleitoral. Eles foram liberadols à tarde, mas seus nomes não foram revelados.

Os servidores iam distribuir sementes e motores rabeta (equipamento utilizado como motor de popa) a cerca de 100 produtores rurais, atendidos pelo Idam, quando foram presos a pedido do juiz eleitoral Jeferson Galvão de Melo, após denúncia. De acordo com o presidente do Idam, Edimar Visoli, tudo não passou de equivoco.

“A distribuição de sementes, motores e outros equipamentos faz parte do programa de governo Zona Franca Verde,” afirmou. A denúncia de crime eleitoral foi feita pelo prefeito de Apuí, Marco Maciel (PSB). “Trata-se de perseguição política. O prefeito é contra o governador Omar Aziz e resolveu fazer a denúncia. Mas tudo está sendo esclarecido,” acrescentolu Visoli.

O juiz eleitoral, entretanto, decidiu instaurar inquérito para investigar o suposto abuso de poder econômico e propaganda eleitoral irregular. Esse tipo de ação onde há a distribuição de bens deve ser comunicada, por conta do período eleitoral, disse o juiz. Visoli assegurou que a informação foi repassada ao Tribunal Regional Eleitoral. A reportagem tentou contato com o prefeito, mas não obteve resposta.

    Leia tudo sobre: eleiçõesamazonascrime eleitoral

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG