Centrais sindicais acusaram o presidenciável de mentir ao dizer que foi autor de medidas a favor dos trabalhadores

Em meio à polêmica com as centrais sindicais, o candidato do PSDB, José Serra, confirmou presença em encontro nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT) hoje em São Paulo. O comparecimento de Serra ao evento não constava da agenda prevista do candidato, que acabou confirmando apenas ontem o convite feito havia cerca de 15 dias.

A participação no evento da UGT tornou-se importante do ponto de vista político depois de as centrais soltarem manifesto, no domingo, acusando Serra de mentir ao dizer que foi autor de medidas a favor dos trabalhadores.

No domingo, cinco centrais sindicais - Força, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Nova Central - divulgaram manifesto no site do PT acusando Serra de "impostura e golpe contra os trabalhadores". Os sindicalistas alegam que o tucano mentiu ao dizer que foi o responsável pela criação do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do seguro-desemprego.

A UGT afirmou que tanto Serra quanto a presidenciável do PV, Marina Silva, participarão do encontro, onde será entregue um "manifesto à nação", com propostas trabalhistas da entidade para os candidatos. Desde a fase de pré-campanha, o tucano diz ser o autor das iniciativas. As centrais, no entanto, afirmam que o autor do projeto de Lei n.º 991 de 1988, que deu origem ao FAT, foi o ex-deputado Jorge Uequed (PMDB-RS).

Os tucanos alegam que o artigo 239 da Constituição, proposto por Serra, garantiu recursos do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) para o financiamento do seguro-desemprego. Também dizem que em 1989 Serra propôs o projeto de lei 2.250, que regulamentava o seguro-desemprego e criava o FAT. Na tramitação na Comissão de Trabalho, na Câmara, foi feito texto substitutivo, que acabou juntando as duas propostas. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.