Serra pede que eleitores convertam indecisos por uma virada

Em discurso, candidato chamou petistas de `profissionais da mentira¿ e disse não ver adversários como inimigos a serem destruídos

Raphael Gomide e Manuela Andreoni, iG Rio de Janeiro |

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra , pediu nesse domingo, em caminhada neste domingo (24) pela praia de Copacabana, no Rio, para seus eleitores “convertam” indecisos e eleitores que estejam inseguros” para “multiplicar os votos” e conseguir uma virada na última semana de campanha.

Rapahel Gomide, iG Rio de Janeiro
Na passeata, um boneco do candidato exibia um curativo em referência à agressão sofrida por Serra
“Vamos multiplicar os votos! Peço que cada um de vocês consiga dois, três, quatro votos... Não vale voto da família! Tem de converter quem está indeciso ou inseguro com o voto. Vamos multiplicar os votos e caminhar para a vitória”, afirmou o ex-governador de São Paulo, para cerca de 2.000 pessoas, segundo a Polícia Militar.

De acordo com pesquisa do Datafolha, de 21 de outubro, Dilma Rousseff tem 12 pontos de vantagem nas intenções de votos, contando-se apenas os votos válidos.

“Podemos e vamos dar a virada em direção à vitória! São sete dias que mudarão a história do Brasil. Domingo se decidirá qual será o Brasil das próximas décadas”, disse o candidato, do alto de um carro de som de uma caminhada pela praia.

Ao seu lado estavam o governador atual e o eleito de Minas Gerais, Aécio Neves e Antonio Anastasia, o governadores eleitos do Paraná e do Rio Grande do Norte, Beto Richa e Rosalba Ciarlini, alem do senador eleito por Minas e ex-presidente Itamar Franco.

Em discurso, Serra acusou os petistas de serem “profissionais da mentira”. “Eles mentem. Precisamos de um governo que tenha caráter, baseado na verdade e na honestidade. Não podemos viver em uma situação de mentira permanente. Temos de olhar o governo como entidade de todos e não de uma parte de um grupo de interesses. Chega de escândalos. Basta olhar a imprensa: são três ou quatro por semana”, afirmou.

“Não encaramos os adversários como inimigos a serem destruídos, com mentira, opressão, uso da máquina e de violência”, disse, prometendo “estatizar as estatais do Brasil”.

Ao seu lado, o governador e senador eleito por Minas, Aécio Neves, seguiu o ataque ao PT e disse que “quando o Rio fala, o Brasil inteiro escuta”. “Chega de bandalheira, vamos botar decência e democracia no Brasil”, disse Aécio. “Chega de atraso e aparelhamento do PT”, afirmou Alckmin.

    Leia tudo sobre: eleições dilmaeleições serrapleito 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG