Sem Quércia, Alckmin pedirá votos para Tuma ao Senado

Apesar do apoio, restrições jurídicas podem barrar aparição do tucano no programa do senador

Piero Locatelli, iG São Paulo |

O candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, pedirá votos ao senador candidato à reeleição, Romeu Tuma (PTB), que não faz parte da sua coligação formal. A decisão foi tomada após a saída de Orestes Quércia (PMDB) da disputa devido ao diagnóstico de um câncer na próstata. Com a desistência do peemedebista, a nova chapa apoiada por Alckmin será formada por Aloysio Nunes (PSDB) e Tuma.

As reuniões que homologaram o apoio de Alckmin a Tuma foram feitas no último final de semana e divulgadas em nota hoje pelos presidentes do PSDB, Mendes Thame, e do PTB, Campos Machado.

A coordenação da campanha de Alckmin ainda discute as implicações legais do apoio. Como os partidos não estão coligados, os advogados do partido ainda estudam a viabilidade de depoimentos do candidato ao governo no programa eleitoral do senador.

Material impresso com os candidatos ao Senado junto a Alckmin e ao candidato tucano à Presidência, José Serra , também será feito. Uma das possibilidades para burlar o problema legal é pedir a ajuda da campanha nacional, onde PTB e PSDB são aliados, para a impressão do material.

Apesar da movimentação da campanha petebista, Romeu Tuma não faz agendas públicas desde agosto e permanece internado no Hospital Sírio-Libanês, onde trata uma afonia. A previsão dos seus correligionários é de que ele receba alta nos próximos dias.

    Leia tudo sobre: eleições spaloysiotumaalckminquércia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG